31.3.07

o mundial do verdão

a copa de 50, com a derrota pelo uruguai, foi um duro golpe pra gente. então veio a copa rio, reunindo poucos times brasileiros, entre eles o palmeiras que, obviamente, bateu no resto do mundo e comprovou nosso bom futebol. porém, até então nenhuma confirmação do título, para a tristeza dos alviverdes e alegria dos corinthianos e dos tri-são-paulinos. mas hoje, algo muito importante aconteceu. em um comunicado oficial, a fifa reconceu o verdão como primeiro campeão do mundo. e há de quem quiser discutir isso comigo...

caixa de lembranças

só hoje eu entendi, de verdade, por que as cartas merecem um lugar especial na casa da gente. eu, que adoro todas as coisinhas virtuais, sempre defendi as invenções e as facilidades que elas trazem, apesar de não me desfazer de uma cânon anos 70 que herdei do meu pai. mas hoje, quando abri um armário antigo e encontrei uma caixa cheia de cartas da minha adolescência, pude entender o valor de cada palavra que está guardada lá. é como se eu pudesse voltar no tempo e sentir tudo aquilo de novo. tem cores, formas, sentimentos que computador nenhum consegue passar. tem cheiro, textura, desabafo, euforia, tudo junto em folhas que, muitas vezes, chegaram a compor mais de 10 páginas. me lembro que quando eu começava a escrever uma carta – podia até passar dias nela, curtindo cada sentença, atualizando e detalhando cada parte da minha vida. veio a fase em que se escrevia para amigas apenas para reforçar o tamanho do amor que uma sentia pela outra. outras vezes era pra comemorar o aniversário da amizade, dividir um sofrimento, comemorar uma vitória: tudo era motivo para encher os envelopes e selar com um adesivo bonitinho. hoje, lendo as cartas, tive a certeza de que tudo pode ser inventado, mas que nem tudo é substituível nesse mundo tecnológico. li muitas delas, mas deixei um monte para amanhã. quero fazer essa regressão aos poucos. tem também algumas grampeadas, do tipo: não toque aqui. essas eu vou levar comigo e abrir de repente. vou segurar a curiosidade e abrir quando der a louca mesmo. enquanto isso, vou apagando meus emails e, quem sabe dia desses eu não compro um envelope? já pensou como seria receber um bem coloridinho e cheio de adesivos fofinhos? pode fechar o olho e imaginar. a carta tem esse poder de fazer sonhar e sentir, mesmo quando nem tudo tá tão perto da gente.

na fila do banco

aproveitando meus dias na cidade calma, já que aqui é tudo mais fácil, resolvi abrir a conta da minha empresa. levei meu pai comigo e, enquanto a gente esperava pelo gerente, meu pai revelou que está louco para comprar um xampu que ele viu no globo repórter.
- você viu o globo repórter?
- não pai.
- mostraram um xampu chamado esperança. o cara usou e deu pra ver como o cabelo cresceu.
- ai será?
- é, muito bom. mas eles não falaram onde encontrar. até mandei um email pra redação, mas eles não responderam...

então, se alguém vir esse milagroso xampu, me avise. vou adorar ver a careca sorridente do paulão.

aula de natação

estar em monte alto me faz sentir saudade da minha infância. aqui eu vivi dos 12 aos 17. ou seja, praticamente tudo. já no meu primeiro dia, fui buscar meus sobrinhos na escola – o mesmo colégio objetivo de sempre, só mudou o lugar. logo depois, almoçamos juntos e às 14h fomos para a natação. o caio estava animado, querendo que eu visse todos os seus mergulhos e saltos. tanto estava que naquele dia ele nem pediu à professora que se aproximasse da borda antes de ele mergulhar. foi quando me lembrei da primeira vez que mergulhei em alto mar. já fazia natação, mas nada que me desse o passaporte para um salto em grande estilo. aos 6 aos, em angra dos reis, foi só o barco ancorar que eu me joguei. para a surpresa da família toda, nem um tiquinho de água eu engoli. assim como o caio, olhei para meus pais com aquele sorriso de orgulho e desafio cumprido. é que nessa idade, um simples mergulho representa muito mais do que imaginamos. é como fazer, hoje, aquelas coisas simples, porém difíceis de se realizar. outro dia, eu e a xita fomos ao ceasa comprar plantas. fazia muito tempo que eu não ia. até então, parecia quase que impossível, um lugar distante demais para ir assim, de repente. foi tão fácil, que voltamos três dias depois. e nos sentimos bem melhor com isso. orgulhosas de nós mesmas. como um mergulho sem contar com a ajuda de ninguém...

a boa velhinha

faltando um minuto para o ônibus deixar a rodoviária de são paulo, uma senhora simpática subiu e sentou-se do meu lado. primeira pergunta dela:
- quantos anos você tem para viajar sozinha? segunda observação, olhando para o banco da frente com a mensagem “por favor, coloque os cintos”:
- ó! vou ignorar. hihi.
de lá em diante, eu e dona isabel nos tornamos melhores amigas. rimos durante a viagem, fiz ela ouvir minha músicas indies e conversamos durante horas. no posto, fomos de comadre até o banheiro. dona isabel é uma boa pessoa. aos 54 anos ela tirou carteira de motorista e teve seu primeiro trabalho: assistente de enfermagem. hoje, aos 83, a perna não ajuda muito, mas a cabeça compensa todo o resto. viúva e dona de 5 gatos, ela é do tipo que sabe para que veio ao mundo: dar caronas. isabel (já íntima) não pode ver ninguém na rua que ela enfia no carro. tentei alertar sobre os cuidados que ela deve tomar, mas não tem jeito. pouco antes de chegar em araraquara (cidade da senhorinha) uma mulher do ônibus perguntou quem ia para tal lugar da cidade e dona isabel logo avisou:
- eu posso te levar. e se é esse o segredo da boa velhice, vou começar a pensar mais no assunto. afinal, estamos a 300-e-tantos quilômetros de sp.

subindo o monte...

tudo começou antes mesmo do embarque. cheguei com uma hora de antecedência, mas não era para fazer nenhum check-in – apenas para fugir do metrô lotado que me levaria até a rodoviária, e tentar aquela sensação boa de café no aeroporto (quando os aeroportos costumam ser pontos de espera de primeira). chegando lá, tentei encontrar uma manicure, mas acabei no algodão com acetona numa das poltronas da área de não fumantes. com as unhas lixadinhas, veio a sensação de que pessoas que não fumam não conversam. isso mesmo. sabe quando uma amiga vira pra outra e fala “vamos fumar um cigarro”? é sempre nessas horas que vêm os melhores bate-papos. não hesitei e fui pro lado oposto da área, sentar pertinho das conversas. pena que uma loja de cds atrapalhou meu plano. bastou eu sentar para começar a tocar alguns hits sertanejos. ah, não ainda estava em são paulo! na rodoviária, com uma mochila e os dentes roxos por causa do açaí, resolvi descer e esperar pela saída na plataforma 19.

26.3.07

pontilhismo

em busca de frases de parachoque de msn para um próximo post - pois é - me deparei com uma profusão de pontinhos pretos nos finais de algumas das perpicazes sentenças.

mas por que diabos as pessoas não entendem que reticências são apenas 3 pontos - nem mais, nem menos?

a língua portuguesa é difícil, concordo, mas isso já é demais pra minha cabeça.............

fun night


ficar acordada até tarde é sensacional. depois de assistir ao paredão do bbb e ao documentário de crianças árabes a gente apela de vez pro shoptime e é obrigada a ouvir coisas assim da apresentadora:
genteeee, sabe uma vitrine de jóias, que toda mulher não resiste e não consegue parar de olhar, desejando aquilo que vê? isso aqui (se referindo a um produto que faz pão da linha fun kitchen) é igual. sem falar que é simples de usar. realmente, é minha amiguinha essa máquina de pão. e vai ficar linda na sua cozinha.
depois dessa, desliguei a televisão e fui dormir. tava na hora de a massa descansar...

se maomé não vai até a montanha...


já que não é "toda hora" que dá pra pisar lá fora, "maomeno" alguns pôsters a gente encontra aqui. e aqui. e aqui. e aqui. e aqui também.

25.3.07

é, o guarujá!

se há alguns dias a nostalgia de uma notícia fez a cuca viajar no tempo e chegar ao guarujá, ontem uma viagem ao guarujá me trouxe boas constatações atuais - e algumas um tanto nostálgicas.

é que, apesar dos muitos defeitos da cidade - muvuca, prédios, barulho - o guarujá tem também atrativos que vão além do fato de ser perto de são paulo. para mim, o maior deles é que as praias não são de tombo como as do litoral norte daqui. e, assim sendo, permitem um gostoso e prosaico banho de mar, no maior estilo da minha infância: sem grandes ondas ou sobressaltos, mesmo que, lá no fundão, os surfistas também estejam satisfeitos com as marolas. uma geografia plana que, se não comporta a natureza selvagem de outras praias mais bonitas e tranquilas, convida a um passeio agradável pela areia batida e ainda oferece milhares de conchinhas na beirada do mar. as mesmas da minha infância. e imagino que da cuca também.

que furada!


se tem uma coisa que odeio nos filmes do woody allen é a predisposição das pessoas em rir de tudo, antes mesmo de o longa começar. pior que isso é quando na sua frente senta uma songa-monga que gargalha feito o pluto (gurp, gurp, gurp) sem parar. exagero mesmo. e um pouco atrás, outro songo-mongo que você não sabe se ele está imitando ou, então, se comunicando com a tal. pra “melhorar”, ele tinha soluços intercalados com a gargalhada (gurp, burp, gurp, burp). dá pra imaginar? um horror. tudo isso só porque é woody allen. tudo bem, claro! o cara é genial, mas o filme de ontem (scoop) é bom dentro do padrão. nada que mereça cambalhotas no tapete ou ataques constantes. no máximo, dezenas de risos internos e cinco exaltações. e bem que a xita me disse: as roupa da scarlett johansson são horríveis, com exceção de um vestidinho preto e da jaqueta jeans.

23.3.07

casual friday

vaidade masculina é uma graça. não estou falando de metrossexuais, que fazem luzes no cabelo e se arrumam mais do que a gente (meda). estou falando de pequenas preocupações estéticas que deixam os homens até mais humanos - e com certeza mais estilosos e cheirosos.
a contradição entre um cara não gostar de comprar roupa ($) mas curte se vestir bem, por exemplo, é lugar comum. meu pai é assim. e ele, que usa terno pra trabalhar, chegou aqui em casa hoje de calça social, camisa, gravata e... suspensório vermelho! magriiiiinho que só ele, a peça era realmente um enfeite. adorei! :P

22.3.07

ah, o guarujá...

de uns tempos pra cá, tenho sentido muita saudade das coisas boas que vivi. pouco antes de me mudar com o ri, bateu aquela sensação de estar envelhecendo e deixando pra trás um túnel cheio de pessoas, histórias e sensações. claro que estava feliz, muito feliz, por começar a construir minha vidinha com ele. só não pude evitar o fato de que estava mais do que na hora de aceitar que não viajaria mais de carro com minha família, com meus pais nos bancos da frente, eu, piu e marcus disputando as janelas nos bancos de trás. assim como não viveria mais com medo do frentista do posto quando jogava água sobre os vidros para limpar as janelas, e eu me assustava feito uma garotinha no seu primeiro caldo no mar. ah, esse sim foi bom. teve gosto de proteção, com meu pai me ajudando a ultrapassar o banco de areia e chegar lá no fundo, onde as marolas eram suaves sobre os braços do paulão. lembro da didi no calçadão, caminhando e saindo antes da praia para preparar o almoço. assim foi até os meus 11 anos. e só lembrei do guarujá hoje, porque recebi a notícia de que a laura está grávida. foi quando resolvi rebobinar minha vida e chegar, então, nesses mesmos 11 anos – quando conheci a laura. foi amizade à primeira vista. foi também quando deixei de ir pro guarujá com meus pais e passei a ir com ela, já que a avó dela morava lá e não tínhamos horário pra nada. sem falar que o prédio dela (e o vizinho edifício dulce) eram os mais legais. lá nossa amizade se fortaleceu. lá nós vivemos boa parte de nossas vidas e histórias – todas possíveis que não caberiam aqui. ou, sim: uma por vez, pois todas merecem destaque. fizemos muitas coisas e, depois da novidade que ela acabou de me dar, não pude negar que um filme passou pela minha cabeça. por isso, tudo que escrevo aqui é só pra dizer que não tô preparada ainda pra ser tão adulta. tenho uma saudade infinita das coisas boas que vivi. mas, longe dessa nostalgia, corre uma tremenda felicidade por todas as outras coisas, um pouquinho mais atuais. sem falar do ri que me espera lá na sala, a “bolinha” que a laura espera na barriga é uma delas. o casamento do piu que está chegando, meus três sobrinhos, e meus pais, que podem ver tudo isso acontecer como se o tempo não passasse, também estão na lista. enfim, tô toda confusa e numa mistura de sentimentos. mas, uma coisa eu tenho certeza: saudade e choro também podem ser de alegria. e mesmo o guarujá não sendo hoje uma das melhores praias do mundo, pra mim vai ser sempre o guarujá.

21.3.07

tudo pela inclusão social

talvez o assunto ainda seja um pouco chocante. ou não. outro dia, ouvi até mesmo da xita que através da novela ela “descobriu” que podia sorrir, brincar e conversar com uma criança down, numa boa. antes disso, o receio era de que a criança não entenderia qualquer atitude. e foi mesmo manoel carlos o responsável pela disseminação do assunto. e graças a ele, deve chegar no mercado o boneca “clarinha”, com características da síndrome. os estados unidos já produziram a sua. agora é a vez do brasil dar esse passo que vai ajudar milhares de crianças. para quem é down, funciona como uma forma de identificação. para os lojistas que não é uma boa. por causa do preconceito, audrey e andrea (mães de down e idealizadoras da boneca) já ouviram inúmeros comentários negativos e maldosos como, por exemplo, “quem vai comprar uma boneca doente?”. no fim das contas, doente mesmo é que não tem sensibilidade pro negócio – no sentido literal.

humf!

tá fazendo o que aqui então?

:P

20.3.07

meu primeiro amor

notícia da caras (!), em primeira mão: a novela acabou e eles estão juntos de verdade!!!

ela: "é o meu primeiro namoro sério. sou romântica e o jeito dele me atraiu"

ele: "durante a novela não tivemos tempo para nos conhecermos direito. com o término da trama senti muita saudade dela. a pérola é encantadora. ela é uma pessoa rara e extremamente talentosa. estou muito feliz em viver esse momento. espero que dure por muito tempo pois estar com ela é maravilhoso"

se vida imita a arte, o casalzinho virgem deve ser tão chato agora como era na novela.

tomara que na vida real ela escove os dentes depois de chamar o hugo no banheiro. porque na tv... eca!

viva o santo casamenteiro

desde menina, o dia 19 de março tem um sabor especial para mim: o de um doce italiano de massa leve, uniformemente recheado com creme e deliciosamente coberto com mel e castanha. lembro dos meus avós voltando dos primos di cunto com uma bandeja feita exclusivamente para nós. era uma rosca para cada, e as castanhas extras que o piu tirava da zeppole dele (leia-se cêpole) e distribuía para quem estivesse mais perto – eu sempre! a tal zeppole di san giuseppe é típica do “país da bota”, e bastante consumida no dia de são josé (ontem). lá, as pessoas distribuem o alimento para os mais pobres, em homenagem ao santo. aqui, quem gosta da tradição costuma trocar o doce abençoado. hoje mesmo, quando fui buscar minha zeppole na casa da minha avó, abri a geladeira e me deparei com duas delas. foi quando minha avó disse: “você não conseguiu buscar ontem, mas comprei uma para você e outra para seu marido”. fofa! para quem não sabe, santo antonio deixou de ser o santo casamenteiro há um bom tempo. quem manda, desde então, é são josé – que não arruma apenas um marido para você, mas sim um bom marido. a história vem do evangelho por ele ter sido um exemplo de esposo, do tipo que toda mulher quer ter (ou manter). enfim, o dia 19 já passou, mas não se desespere. afinal, santo é santo, a di cunto vende zeppole o ano todo e fé você tem que ter pra tudo na vida. vai um zeppole aí?

a vida como ela é

tá vendo essa bunda feia aí do lado? é da cameron diaz. mas eu não vou nem me dar ao trabalho de explicar o post. copio, na íntegra, o texto que a lola publicou no blog da revista jt sob o título "uva passa". impossível fazer melhor!

" descobri esse blog aqui e fiquei viciada. ele mostra, basicamente, fotos de celebridades no tapete vermelho. mas vem com um detalhe meio escatológico: as fotos mostram as famosas tão "de perto" que você as vê poro por poro, alguns deles bem ensebados. a argamassa usada por cameron diaz em uma festa, por exemplo, transforma a maquiagem do palhaço bozo no estilo "cara lavada".tem gente que jura que a beyonce tem preguiça de fazer chapinha e prefere logo colocar um perucão liso. a prova estaria na "redinha" na raiz do cabelo da beldade. mais uma descoberta (minha): não são só os homens que preferem as loiras. as rugas também adoram as platinadas. outra: salma hayek tem estria nos seios, como qualquer mulher que engorda e emagrece o tempo todo. e parece que a mexicana não dá a mínima para as marcas. manda bala nos decotes.depois dessa, aceitei o elogio de um maquiador de hollywood que entrevistei uma vez, e que disse que a minha pele era boa. e, afinal de contas, não seria justo ver essas malucas - que estão sempre de pileque com paris hilton - mostrando uma pele de pêssego"

happy new year

cada religião/ filosofia/ ciência tem seus preceitos próprios - que podem incluir ou não datas comemorativas. o ano novo para os judeus por exemplo, é o rosh hashaná, celebrado em setembro; já para os brasileiros o ano só começa mesmo depois do carnaval. e para a astrologia - happy new year! - o ano tem início hoje, dia 20 de março, às 21h07, quando o Sol entra em áries.
o ano novo astrológico ou ano novo solar baseia-se em princípios astronômicos e sua relação com as forças da natureza.

o que tudo isso significa na prática?
não sei :P

vá descascar batatas, xita!


nossa receita original pede batatas no “george” com casca e tudo. mas como não é sempre que isso vai bem, eis aqui um descascador de legumes para deixar tudo mais fácil, além de divertido. dica da flávia fusco, ele alegra sua cozinha pela bagatela de r$ 20 (é gringo o bichinho!). e pra combinar, tem também clips de fechar sacos com a mesma “estampinha”. tudo na utilplast, que divide o pagamento em 3x.

19.3.07

cuca, a mestre

já postei aqui neste blog que não sei cozinhar. sei fazer bolo de chocolate, mas não dá pra comer isso todo dia (ok, de sobremesa dá, ô se dá!). enfim, resolvi tentar (mais uma vez) não ser uma chef, mas pelo menos parar de comer pizza e sanduíche todo dia. me alimentar melhor. tomar vergonha na cara. ser normal.
a cuca me dá várias dicas. me ensinou outro dia a fazer omelete de abobrinha e tomate. o bom desse tipo de receita é que, se der errado, o máximo que vai acontecer é virar ovo mexido. e ficou uma delícia meu ovo mexido!
o problema é que para a maioria dos pratos não existe plano b. e é comer a gororoba ou ficar com fome - e isso não é opção.
agora nós duas temos o grill george foreman. e seguimos trocando receitas (tá, ela me passando receitas). semana passada fiz um salmão com batatas assadas. o salmão ficou seco e as batatas duras. hoje o menu foi abobrinha grelhada com shoyu e batatas assadas (!) com queijo. fiz como ela ensinou, fervi antes, pra ficar molinha. e até que funcionou. mas na hora de comer, resolvi colocar uma pimentinha do reino - uma moça no super mercado me ensinou. imagino que se não cair quase todo o pote de pimenta no prato deva ficar uma delícia. a solução foi acompanhar a a comida com grandes goles de suco de caixinha. e rezar pra prática levar a alguma sabedoria porque a perfeição, essa só em outra vida.

15.3.07

de A a Zinco (ou quase)

eu não costumo comprar pela internet. nada contra, é que eu não tenho cartão de crédito. nem saldo - no momento. mas nas vezes que gastei um troquinho online deu super certo, adorei. no submarino, por exemplo, dá pra dividir em 12x. hehe. mas nunca comprei roupa - sem ver de perto e, principalmente, sem experimentar, não sei se funciona. nos eua, por exemplo, a taxa de devolução das peças compradas via net é superior a 30%. pra solucionar esse pequeno probleminha (e fazer a mulherada gastar mais e mais) foi criado o myshape: a internauta (isso, no feminino, única e exclusivamente) envia medidas corporais e preferências fashion e o site mostra várias possibilidades de roupas que servem e que têm seu estilo.

ah, sabe aquele lance de corpo pêra, maçã e sei lá mais o quê? é coisa do passado. no site essa divisão é maior, são sete formatos básicos de corpo, de acordo com as letras do alfabeto. tem o y, o h, o p, o a (é, o pêra revisitado...).

a versão ainda é beta e eu não testei por pura falta de... tempo :P

14.3.07

libere seu lado beyoncè

quem nunca esticou os olhos através da vitrine para ver o que se passava dentro de um sex shop? pois é, algumas pesquisas têm revelado que as mulheres são as maiores compradoras de artigos “fun”. por esse motivo, as tais lojinhas de néon têm mudado seus nomes para butique sensual. que tal? com fachadas cor-de-rosa e very-cool-hot-things, elas chamam a atenção com tamanha variedade capaz de fazer um homem enlouquecer na cama... vergonha por quê? não dizem que as mulheres que buscam satisfação sexual são mais bem resolvidas? (um brinde à saúde perfeita!). aliás, deixa eu correr aqui que meu curso na nelma penteado começa em 15 minutos (brincadeirinha). mas, a verdade é que já há muitas butiques bacanas por aí. além das segmentadas, algumas lojas finas reservam um espaço só para isso, como é o caso da clube chocolate, na luxuosa e nada pornográfica oscar freire. para as mais tímidas, um lugar ideal chamado clube das meninas, onde é possível fazer de conta que você está à procura de uma calça, e não de uma calcinha etc e tal. e se você conhece algum outro lugar, conta pra gente. será um prazer (quase que sexual) ter seu comentário!! ;P