31.1.08

tá indo pra onde?


eu adoro me definir. e acho que quanto mais eu tento descobrir o que eu sou mais eu viro uma colcha de retalhos.
mas eu sei de uma coisa muito importante sobre mim, que me definiria. eu adoro pegar caronas.
agora, por exemplo, são 21h39 e acho que já poderia ter ido faz tempo, mas estou assediando pesado minha chefe para ir embora com ela.
eu gosto dela porque gosto, ela é divertida, é uma boa amiga, mas tenho medo de que ela pense que eu gosto dela só por causa da carona, o que é mentira, mas às vezes parece bem verdadeiro, tamanha a minha empolgação.
eu simplesmente deixo de ir para a casa às 19h50 e espero pelo menos uma hora a mais pelo conforto do honda fit dela.
já paguei por caronas. "como assim? isso é táxi!"não amiguinhas. apenas insinue ao amigo que vai dar uma ajudinha no tanque de gasolina e a carona tá garantina. isto se ele estiver muito durango.
ai, eu sei que este post denuncia toda a podridão por trás da carona, mas tenho que dizer: "eu faço sweet asshole (cu doce) pra conseguir carona". como?
sheetha: alo, lorna, vamos na festa do pudim?
lorna: ai, não sei....estou meio cansada, sabe...
sheetha: vamo, vai, eu te dou uma carona
lorna: ah, mas como?
sheetha: eu te busco na estação oásis do metrô.
lorna: não sei ainda, tô meio desanimada
sheetha: vai, eu te busco
lorna: tá

29.1.08

(en) fart

ontem à noite, pouco antes de ir pra casa da cuca, falei com a rita pelo telefone.

- ai ri, tô com gases e tá doendo muito, parece que vou explodir.

- pum é foda. quando você pode fazer, não sai de jeito nenhum, fica preso. mas quando você tá no trabalho...

- nossa, é verdade. não tinha pensado nisso.

- é, cara, peido tem vontade própria.

(e não é que o convite da cuca veio mesmo a calhar? e no menu, ainda por cima, o melhor caldinho de feijão do mundo! será que a ida do rildo pra área de serviço, pra passar roupa às 11 da noite, tem alguma coisa a ver com isso?)
:P

sock sucks

eu achava que cachorro de rua, vira-lata, só gostava mesmo de fuçar o lixo. mas ontem a baleia me surpreendeu. descobriu o saco de roupas sujas e levou uma meia usada para a caminha dela. se não bastasse ter de esconder tudo que é saquinho, agora tenho de trancar tudo que é porta também.

ai que saco (linha)

hoje, pena milésima vez, vi uma reportagem na tv falando sobre o uso dos saquinhos plásticos nos supermercados. a sugestão era usar aquelas sacolinhas molengas, que são vendidas no supermecado mesmo. desculpe, mas elas são fininhas e não aguentam minhas compras. e as sacolas de feira? quantas vezes já ouvi a discussão em torno disso. não, eu prefiro mesmo as de plástico. sabe por quê? eu tenho dois gatinhos e preciso das sacolinhas para colocar o cocô deles separado do resto do lixo orgânico. sim, no meu prédio tem coleta seletiva e eu participo. tô liberada pra usá-las, ecopentelhos?

aliás, como diz uma amiga minha: "eu já ajudo muito a natureza, crio dois gatos de rua".

num é?


27.1.08

top 6

este post não é sobre uma notícia quentíssima, mas mesmo assim resolvi dividir com os milhares de leitores deste blog o quão incrível eu achei a nova campanha da louis vuitton. naomi campbell, claudia schiffer, eva herzegovina, natalia vodianova, angela lindvall e stephanie seymour deitadas num carrão com cabelos impecáveis, segurando bolsas incríveis, que são da coleção feminina primavera/verão 2008. por esta foto já dá pra ver que a coisa é luxenta. os caras mandaram muito bem ao chamar seis top models que bombaram nos anos 90 pra segurar os mimos carésimos assinados por marc jacobs. vale a pena entrar no site e babar. ainda mais se você é daquelas pessoas acha que eles são uns bregas. você vai ver que no mundo do seu vitão há muito mais do que aquele modelo básico que se encontra a 300 real no promocenter.

ui!

hahahahahahahahahaha

melhor crônica dos últimos tempos!

uma ilha, um livro
(sérgio rodrigues)

– você vai passar o resto dos seus dias numa ilha deserta e pode levar um livro – ela diz.

– um só?


– um só. qual você escolhe?

ele pensa um pouco.

– nenhum.

– como, nenhum?

– nenhum. não vou ler, morto não lê.

– não – ela ri – quê isso, na ilha tem comida à vontade, você não morre. só fica lá de bobeira, vivendo superbem e… lendo um livro.

– pode ser que você fique lá, lendo esse livro. eu não fico porque me mato antes.

– se mata…

– mato, mato. um livro só? mil vezes a morte.

ela fica meio desconcertada porque é a primeira vez que um homem bagunça assim o seu teste, mas acaba decidindo que gostou, gostou muito, mais até do que se ele dissesse estrela da vida inteira, em busca do tempo perdido ou outra das respostas que ela costumava classificar como “certas”. olhando para o homem do outro lado da mesa do restaurante, vê alguém que nunca viu antes. pela primeira vez tem vontade de beijá-lo e pensa, sentindo uma moleza nos joelhos, que a noite promete.

enquanto isso, ele fica matutando que a idéia de um único livro sobreviver ao fim do mundo deve ser mesmo insuportável. está até um pouco espantado, quase eufórico: caramba, acho que não dei apenas uma resposta espirituosa, isso é uma tremenda verdade! um livro só? melhor morrer. quer anotar a idéia num guardanapo, depois desiste, distraído com o decote que se descortina do outro lado da mesa. e também pensa que a noite promete.

agora a promessa já se cumpriu. na cama dele, sob o lençol amarfanhado, ela ronrona, cabelos espalhados em seu peito, enquanto ele fuma. é o momento daquela volta lenta ao mundo da linguagem articulada, depois da rendição momentânea aos grunhidos da selva. foi bom, foi muito bom. e ele fala:

– sabe aquela história da ilha deserta?

– hmm.

– eu disse que me matava se tivesse só um livro…

– ah, eu adorei. nunca ninguém me respondeu assim.

ele fica uns segundos em silêncio, espreme o cigarro no cinzeiro.

– e se fosse um game?

– o quê?

– se em vez de um livro eu pudesse levar um videogame. um só. sabe qual seria?

ela ergue a cabeça do travesseiro peludo do peito dele. sente frio de repente.

– hmm.

– sonic 2. sou louco pelo sonic 2. é antiguinho, mas eu podia ficar a vida inteira fazendo aquele porco-espinho pular…

diz isso e, com um sorriso, se deixa levar pelo sono: menos de um minuto depois está ressonando.

ela pula da cama. arrepiada de frio, sai andando nua pelo apartamento, que mal teve tempo de ver quando chegaram, ocupados que estavam em se morder, arrancar as roupas e atravessar a sala na direção do único quarto.

a sala tem um sofazinho de dois lugares. uma poltrona, jornais espalhados pelo chão. uma estante pequena com prateleiras tomadas por garrafas de cachaça, licor, uísque, canecão de chope com o escudo do flamengo, cds. ah, sim, um livro também. um livro solitário. ela se aproxima, temerosa, e lê na lombada, à luz fraca da rua que entra pela janela: onze minutos, de paulo coelho.

mas já é tarde demais.

20.1.08

arrumadinha


depois de ter postado sobre a coçada masculina, olha o que vejo na internet. tudo bem, que atire a primeira pedra a mulher que nunca arrumou o biquini no mar. mas sei lá o que a paris tá fazendo. será que entrou tanta areia assim? ou foi uma alga que enroscou lá?

19.1.08

dois anos de praia!

as melhores promessas que eu já vi pra um começo de ano! tão boas, que vão no corpo do post, não só no link.

(tá bom, eu ando toda melindres pra babies... e o tomás vem aí!!!)

a sabedoria que só se conquista aos 2 anos

tem um cara muito louco que mora aqui em casa comigo e com a minha mulher. ele tem 2 anos de idade e diz pra todo mundo por aí que é meu filho a pesar de que somos absolutamente idênticos. ele está sempre feliz. muito feliz. extremamente feliz. tanto que resolvi adotar seus hábitos e comportamentos. segue a lista que preparei e que pretendo seguir com disciplina e rigor para ser muito mais feliz em 2008.

1. sempre que possível, corra peladão pela casa gritando: “tô peladão! ebaaaaa!”

2. nunca perca a chance de dar um beijinho ou um abraço em alguém que estiver ali, dando sopa.

3. não tenha medo de puxar conversa com alguém interessante. aponte para o céu e diga: “óia! um avião grande!”. siga conversando naturalmente.

4. tire uma soneca depois do almoço onde quer que esteja. (lembrete: menos ao volante).

5. desenhe no box do banheiro enevoado pelo vapor. ao concluir cada desenho ou mesmo apenas deixar a palma de sua mão impressa diga: “ebaaaaaa!”

6. vire mais cambalhotas. um mínimo de 3 por semana. diga: “ebaaaa!” antes e depois de cada evolução.

7. pule na cama. mas não muito perto da beirada. diga repetidamente”ebaaa-ebaaaaa-ebaaa!”

8. minta deslavadamente. mas nunca em causa própria.

9. convide todo mundo pra tudo: “vâmo deitá no chão pessoal?”, “vâmo tomá suco, pessoal?!”, “vâmo naná, pessoal?”

10. acorde bem cedo e berrando à plenos pulmões. só pare quando alguém vier te abraçar.

11. tenha medo da sua comida.

12. acredite nas versões alternativas. por exemplo: que um trovão pode perfeitamente ser o pum de um elefante voador gigante.

13. diga “obrigado” e “por favor” sempre, mesmo que fora de contexto.

14. use o msn messenger ou skype para fazer uma videoconferência com seus avós, durante a qual, dance, corra, vire cambalhotas e identifique interessantes partes do seu corpo como o nariz e a bunda.

15. mostre o seu pé para as visitas. olhe de forma atenta e não sem curiosidade para a extremidade e comente: “ó…o pé.” depois de alguns segundos de silêncio respeitoso sugira que a visita mostre o pé dela pra você.

16. convide sua mãe pra passear quando ela menos espera.

17. encontre as formas ocultas nas coisas: uma torrada que parece um coração, um guardanapo dobrado que parece um pato ou uma luva que parece um cavalo. diga “ebaaaa!” sempre que isso acontecer.

18. quando fizer uma gracinha que todo mundo gosta, repita.

19. chore rápido e esqueça porque chorou mais rápido ainda.

20. sinta orgulho das coisas que consegue fazer sozinho mas nunca sinta vergonha de pedir ajuda pra quem você ama.

21. “ebaaaaaaaa!”

18.1.08

metamorfose

uma imagem de ilusão de ótica do blog do pedro doria:

'a maioria das pessoas consegue perceber o que há de errado com esta foto em até um minuto'.

tem musiquinha. vale ligar o som ou botar o fone de ouvido.

apagão político

o presidente do país deu o cargo político de ministro de minas e energia a uma pessoa que confessou ontem não entender nada do assunto. e pior, que declarou que precisava ler mais e que o pouco que sabia era do que tinha visto nos jornais.
agora eu pergunto... é brincadeira ou não? porque quando o presidente foi eleito ele disse que "com saúde e educação não se brinca", mas não falou nada sobre essa tal energia elétrica - nem que possivelmente nossas contas virão mais caras e que corremos um sério risco de apagã0. já sei, é mais uma brincadeirinha de mau gosto do governo. tipo aquela história do mensalão que ninguém contou para ele... tudo brincadeirinha...

auto-conhecimento



















sob o título 'a imprensa', o giba - que passou um dia (pela primeira vez) na são paulo fashion week comentando no blog do estadão - fez o seguinte post:


aqui na spfw tem mais jornalista do que gente.


né?

14.1.08

ai, aquela coceirinha

alguém, sabe me dizer...

por que os homens coçam tanto o saco?

por que eles fazem isso em qualquer lugar sem menor constrangimento?


por que eles coçam enquanto falam com a gente, como se não estivéssemos percebendo?

por que a gente se importa?

13.1.08

com pé e cabeça

nessa vida que tudo casa e tem razão de ser, não podia ser melhor minha finalização do ano sabático em relação ao cinema. para o reinício, "a culpa é do fidel!".

a protagonista é essa menininha fofa aí de cima. e eu não vou contar nada sobre o filme porque tem que ver que é muito bom (e pq eu tenho dislexia quádrupla no que diz respeito a descrever o que li e vi).

na verdade, vou contar sim. sempre tem alguma coisa sem importância que ninguém presta atenção (justamente porque não tem importância) e que fica martelando na minha cabeça (porque além de ser disléxica quádrupla, eu tenho toc): por duas vezes o pé da menininha é filmado e ela tem micose (ou algo que o valha) na unha de um dos dedões. muito feio. nem a (falta de) luz disfarça.

e quando eu digo que na vida tudo casa... não que eu tenha micose na unha no dedão, mas no que diz respeito a pés... até fevereiro eu tenho telhado de vidro. depois disso, eu faço um post bem grande, com foto verdadeira e tudo, contando o ocorrido. e viva as criancinhas com pés defeituosos!

mané é o cara!

no estádio da lusa (r. comendador nestor pereira, 33, canindé, 2163-2000) todo mundo foi batizado de manoel. mas quem você deve fazer questão de conhecer (se você estiver por lá) é o mané da tri fita - a lanchonete que fica dentro do estádio e serve o melhor bolinho de bacalhau. o sucesso da receita de mané já dura 18 anos. e em dias de jogo, ele prepara cerca de 3 mil bolinhos. sabe o que mais? ele jura que, se você quiser aprender a receita, a leva para dentro da cozinha e mostra o segredo. já para a cozinha do canindé! (o resto tá na matéria de futebol mais ''mulherzinha" que já fiz nos últimos tempos).

o melhor teto do mundo

eu poderia ter ido ao cinema, ao show da beth carvalho, ao samba do carioca e ao show do fê no outs. mas preferi ficar em casa. eu poderia ter me divertido com a música, com os amigos e com as cenas. mas preferi ensinar uns passos de gafieira para o maridão, na sala, e aproveitar para limpar o chão ao mesmo tempo. eu poderia ter encontrado e conversado horas com uma amiga que não vejo faz tempo, colocado o papo em dia e ainda ter tomado uns cinco chopinhos. mas preferi cozinhar e brincar de alfabetizar minha cachorra, a baleia.
antes, eu só trocava os programas por tomar sol na praia. agora, basta não ter de sair de casa para eu estar feliz. já sei: eu amo a minha casa, com tudo que ela tem: baleia, rildo e muita bagunça!

12.1.08

papéis de parede joycianos


ha!

eu nunca li um livro de james joyce, e vocês? o mais perto que já cheguei foi henry james, vale?
mas adorei este site que lista figuras da época em que o escritor viveu (acho que é isto).
dá para usar um monte de imagem como papel de parede.
vocês, que adoram coisa fofielly, vão se esbaldar.

11.1.08

descobertas que enfeiaram a humanidade parte 1...


é véspera de são paulo fashion week e o povo tá falando sobre a volta do street não sei o quê o o desfile da tessuti no museu é, num museu grandão lá no rio. eu procuro pensar na moda do dia a dia.
um amigo canandense que eu acho muito charmoso me mandou uma foto dele. (sim, eu sou casada e troco fotos com bofes amigos e meu marido sabe. são fotos com roupas). e eu, que achava ele tão charmoso, nossa, minha gente, amarelei como este sapato aí do lado: ele tava vestindo um mocassim de amarrar.
confesso que perdi todo o encanto nele, até o da amizade, porque o mocassim (vejam só como a moda não é nada superficial) tem muito a dizer sobre ele. que ele gosta de eric clapton, de ir a hotéis-fazendas com a namorada e outro casal de amigos, que ele curte pescar no fim de semana.
por que não uma birkenstock (ou seja lá como se escreve?)? por que não tênis? por que não descalço.
o que é pior? mocassim de amarrar? aquele com brigulinhas em cima que balançam quando a pessoa anda? com bolinhas embaixo?
fica aqui meu mini-manifesto contra esta peça nefasta do vestuário unissex.