31.5.09

A TRISTEZA É SENHORA, DESDE QUE O SAMBA É SAMBA É ASSIM



já faz alguns dias que tento escrever e não consigo. não que me faltem ideias ou vontade. é justamente o contrário, minha cabeça produz como nunca e, como sempre, um material ainda bruto, à espera da lapidação da palavra. e é esta habilidade que me escapa. leio, enquanto isso. quem sabe as frases de outros não me ajudem a construir minhas próprias? não.
preciso escrever. porque vivo por meio do que escrevo, se não o faço, perco o sentido. não me sinto eu. mas talvez esteja aqui a razão desse silêncio textual.
ainda estou à procura de mim. não que isso pare um dia - nem sei se quero que pare. mas este momento - e dizem também meus astros e meus guias - é daqueles pontuais de busca interior. o que estranho é a falta de angústia ou tristeza tão inerentes a essas fases. sinto uma tranquilidade sufocante. onde está meu choro? por que acordo sorrindo todos os dias? e por que tantas ideias criativas se não sou capaz - porque estou feliz - de colocá-las no papel?
não se usa mais escrever à mão, não quero mais fumar, não ressinto mais a vida. tenho um pulmão mais limpo, um sorriso bem mais largo e várias páginas mais vazias. 
não sei se aceito a troca. 
e nem posso acender um cigarro enquanto penso a respeito.

(obviamente eu não sabia o que ia sair - muito menos se ia sair - quando comecei a escrever esse texto. mas o inconsciente manda, é senhor. e faz alguns dias que cantarolo o samba da bênção. pela manhã, junto com o tal do insistente sorriso.)

3 comentários:

Anônimo disse...

escrever sobre um bloqueio é das maiores pretensões. que wannabe.

quem deve gostar dessa profusão de novos gênios é a moleskine. tá vendendo caderno que nem ak-47 no oriente médio. deviam fazer passeatas contra isso também.

você já comprou o seu? a sofisticação desse blog é puro terrorismo.

Naélia disse...

Nossa, me vejo tão igual a isso tudo que escreveu, que me arrepio..., mas mal consigo escrever um comentário.

Naélia disse...

Nossa, me vejo tão igual a isso tudo que escreveu, que me arrepio..., mas mal consigo escrever um comentário.