30.6.09

O DIA DA REDAÇÃO


parte I

hoje é sábado, amanhã é domingo
e eu estou no jornal, de plantão
os amigos tomam cerveja no bar
e eu trabalho forçado na redação 

hoje é sábado, amanhã é domingo
e o tempo aqui é moroso
é muita maldade o sol brilhar lá fora
mas por via das dúvidas, livrai-me meu deus da morte de um famoso.

hoje é sábado, amanhã é domingo
amanhã estou novamente na redação
hoje é que é dia de tomar várias
o dia é sábado (e eu aqui de plantão) 

impossível fugir a essa dura realidade
neste momento os bares estão repletos de homens 
todos os namorados estão de mãos entrelaçadas
todos os maridos estão funcionando regularmente 
todas as mulheres estão atentas
porque hoje é sábado (e eu aqui de plantão)

parte II

neste momento há um casamento 
porque hoje é meu plantão 

hoje há um divórcio e um violamento 
porque hoje é meu plantão 

hoje há um rico que se mata
porque hoje é meu plantão 

há um incesto e uma regata
porque hoje é meu plantão 

há um espetáculo de gala
porque hoje é meu plantão 

há uma mulher que apanha e cala 
porque hoje é meu plantão 

há um renovar-se de esperanças
porque hoje é meu plantão

há uma profunda discordância
porque hoje é meu plantão 

há um sedutor que tomba morto
porque hoje é meu plantão 

há um grande espírito de porco
porque hoje é meu plantão

há uma mulher que vira homem
porque hoje é meu plantão

há criancinhas que não comem
porque hoje é meu plantão 

há um piquenique de políticos
porque hoje é meu plantão 

há um grande acréscimo de sífilis
porque hoje é meu plantão

há um ariano e uma mulata 
porque hoje é meu plantão 

há uma tensão inusitada
porque hoje é meu plantão

há adolescências seminuas
porque hoje é meu plantão

há um vampiro pelas ruas
porque hoje é meu plantão

há um grande aumento no consumo
porque hoje é meu plantão

há um noivo louco de ciúme
porque hoje é meu plantão

há um garden-party na cadeia
porque hoje é meu plantão

há uma impassível lua cheia 
porque hoje é meu plantão

há damas de todas as classes
porque hoje é meu plantão 

umas difíceis, outras fáceis 
porque hoje é meu plantão 

há um beber e um dar sem conta
porque hoje é meu plantão

há uma infeliz que vai de tonta
porque hoje é meu plantão 

há um padre passando à paisana
porque hoje é meu plantão 

há um frenesi de dar banana
porque hoje é meu plantão

há a sensação angustiante
porque hoje é meu plantão

de uma mulher dentro de um homem
porque hoje é meu plantão

há uma comemoração fantástica
porque hoje é meu plantão

da primeira cirurgia plástica
porque hoje é meu plantão

e dando os trâmites por findos
porque acabou por hoje meu plantão 

não há a perspectiva de domingo
porque amanhã também é meu plantão

parte III

por todas essas razões deveríamos ter sido mesmo desobrigados a estudar quatro anos para conseguir um diploma que não vale nada. 
de fato, não havia nada que aprender na faculdade. 

e depois, de aulas inúteis e professores recalcados;
e depois, de horas perdidas e do dinheiro jogado fora;
melhor fosse que gastássemos o tempo de não aprendizado bebendo no bar.

na verdade, o diploma não era necessário.

nem tu, assessor, jornalista que não trabalha na redação, precisava do papel.

tu, que não faz plantão de fim de semana.
bem procedeste tu que escolheste ganhar dinheiro.

tantos anos lutou a classe por melhores condições de trabalho.
descansasse o leitor e simplesmente não faríamos plantões.

seríamos talvez algo melhor nas palavras imbecis de um presidente ignorante.
não viveríamos da degola de celebridades a, b e c.
não seríamos plantonistas de guerras idiotas e políticos corruptos.

não sofreríamos males da falta da cerveja do sábado nem desejaríamos o salário do próximo
não teríamos horas mal dormidas nem que reaprender a ortografia.
 
seria indizível a beleza e a harmonia dos que fossem jornalistas pelo talento - e não pelo diploma. 

a paz e o poder maior das palavras e dos editores de vocação
a pureza maior do instinto de verdadeiros focas e não de novatos em cópula com superiores.

ao revés, precisamos ser lógicos, frequentemente dogmáticos;
precisamos encarar o problema das colocações de vírgulas estéticas
ser sociais, cultivar hábitos, checar agências sem vontade e até cozinhar sem vontade.

tudo isso porque o editor cismou em que trabalhássemos no fim de semana... 

e para não ficar com as vastas mãos abanando
resolveu fazer o repórter à sua imagem e semelhança
possivelmente, isto é, muito provavelmente

porque hoje também é seu plantão

(e não é que tá quase ipsis literis com o dia da criação? vinicius era mesmo um gênio)

2 comentários:

Luciano Marsiglia disse...

A falta de diploma me fez escapar do plantão - taí uma grande vantagem. (Estive no Ministério do Trabalho hoje, mas isso é segredo.)

thais disse...

vinicias! tô amando todos os posts, mas vou deixar um comment geral e um aperto nessa fofura aí embaixo. missing. e aí marsiglia!!!