31.7.09

PIXTENHA




só tinha ouvido falar dela. mas em londres eu li esse nome, difícil de esquecer, várias vezes em revistas e jornais. fiquei curiosa para baixar e depois dei um minigoogle. então encontrei uma resenha quase fresquinha no rraul, sobre seu primeiro disco - que acaba de chegar às lojas e é bem divertido.

NÃO É MAIS UM VÍDEO



no começo você até acha que ele é só mais um. mas depois, minha amiga... dica do jairo, claro, que sabe tudo.

30.7.09

I'M COUNTING ON YOU, LORD, PLEASE DON'T LET ME DOWN

o deus não é surdo é um site (no ar desde setembro de 06) criado para protestar contra o barulho de uma igreja na zona norte de são paulo, vizinha dos autores. segundo consta na home, já ultrapassou a marca de 1 milhão de acessos.

"jamais podíamos imaginar que o lugar que era para ser de oração e reflexão pudesse se transformar em um verdadeiro circo. estamos cansados de conviver com música alta, gritaria e sons de todos os tipos. acordos amigáveis não foram possíveis e a única alternativa que nos restou foi protestar criando este site. queremos utilizar este espaço para informar o máximo de pessoas que passam pelo mesmo drama (...)".

no pé da página (que tem notícias, relatos e enquete): "seja um crente decente, não grite no ouvido da gente". 

tanto a imagem como o link do site são via @malvados

CONVERSE MOONWALKERS

por mais que a michaeljacksonmania já tenha dado no saco, não dá pra não achar esse tênis legal. 

BEING COFFEE HIGH







essas lindicices são deste flickr
achei no dtmm

REFLEXÕES DE UMA MANHÃ CINZENTA EM SP


como pode...







29.7.09

BEING THANKFUL



not safe for work e um dos melhores stripteases, na minha opinião, ever. não do tipo que você vá fazer, porque é muito cênico, mas incrivelmente bonito de assistir.

VERGONHAS



das babaquices idiotas: sempre amei teardrop, do massive attack, mas como é uma música fácil, conhecida demais, eu tinha vergonha de admitir. e eu amava também por causa de um cara, de uma época específica com ele, mas mesmo assim. até que outro dia eu ouvi a raquel zimmermann falando que um desfile inesquecível pra ela foi um da chanel, no japão, em que tocava... teardrop. porra, aí eu deixei de ter vergonha? 
fiquei é com vergonha de não mais ter vergonha só por causa disso. 

WATCHING FOREVER



porque 'ceremony' é a música que mais gosto do new order (e desde os 14 anos) e porque eu tinha certeza que tinha postado esta versão do radiohead em 2007 (virei este blog de ponta cabeça e não encontrei). e, finalmente, porque hoje eu me sinto assim como nunca.

ECLIPSE TOTAL DO CÉREBRO



cara, isso é uma das coisas mais engraçadas que vi nos últimos tempos. versão literal de "total eclipse of the heart", da bonnie tyler. é de passar mal de rir, do começo ao fim. 
os literal video versions são vídeos antigos dublados com uma versão da música em que a letra narra literalmente o que acontece no videoclipe. 

ESSAS PESQUISAS CIENTÍFICAS, AI...



"uma pesquisa da universidade de helsinque constatou que as mulheres estão ficando cada vez mais atraentes. a explicação é que mulheres bonitas têm mais filhos do que as feias [ooooi?]. além disso, mulheres bonitas tendem a dar à luz meninas, cujo potencial, em razão da evolução natural, é de serem ainda mais bonitas do que suas mães".

eu me pergunto: uma pesquisa tão idiota como essa será que leva em consideração o antes ou o depois - nos casos, por exemplo, da carla perez e da ana hickman? 

via blog do marcos guterman, na home do estadão

AQUI, LÁ, ACOLÁ



"em londres, a emissora de tv sky news levou um laptop em perfeitas condições para conserto em diversos serviços de manutenção. com uma webcam e um sistema que registra tudo o que é digitado, flagrou técnicos acessando dados pessoais dos usuários, tentando acessar contas bancárias e cobrando por trabalho desnecessário." 

do caderno de informática da folha de hoje. acima, o vídeo feito pela emissora. 

eita que ladrão, mau caráter, fiodaputa existem em qualquer lugar mesmo... 

NIKE FLINSTONES

O TODDYNHO E O BACKGROUND



o alberto lins (já falei dele aqui, mas vale relembrar) é um amigo querido, que conheci aqui na capricho. tenho a felicidade de sentar bem pertinho dele. e, além das pérolas que ele solta, o albby sempre me manda links, fotos e ilustrações incríveis. hoje ele me mandou as pérolas de apresentadora da rede tv! (casada com um dos donos da emissora) em uma entrevista da veja (ou de veja, como dizem aqui no prédio). e ontem, um link com fotos que são mais legais (ou totalmente sem noção, quando envolve criança por perto) se você reparar o que tem no fundo.

(hoje estou em um parênteses day)

'MODESS' VINTAGE


eu não incluiria os absorventes de pano (na home do uol, hoje) no rol de produtos ecológicos porque, para lavá-los e esterilizá-los a ponto de que fiquem tão higiênicos como os absorventes descartáveis (o que é de fundamental importância) seria preciso comprar produtos especiais (que são também detergentes e vêm em embalagens de plástico) e passá-los a ferro elétrico, o que gasta energia. fora o tempo, a água, o amaciante e a energia da máquina de lavar. ah, e o algodão comum, demanda trocas mais frequentes do que o industrializado com floc gel. 
agora, se você quiser chamar esses paninhos de absorventes vintage, ok, combina. eles são fofos? claro. e tão úteis como a geladeira antiga que decora a sala da thais e é sabiamente usada como armário de dvds. porque aquela, sim, gastaria uma energia louca se fosse usada pra refrigerar comida, fora o perrengue da água que escorre na hora do descongelamento.

mas pena que a matéria não dá link pra compra do produto. eu conjugaria o amado verbo comprar pra ter um daquele vichizinho rosa. só por fofurice. 

QUE SE FODA, NÉ, KASSAB?


aí, kassab, gay ou não, não me importa o que você faz na cama, nem com quem. aí, me importa muito o que você faz nessa merda de cidade em que eu vivo, eu, classe média que adoraria ter um centro como o dos países europeus, eu que tenho carro, ando só por regiões centrais e fico parada no trânsito insuportável, eu que não utilizo transporte coletivo quase nunca. aí, ainda assim me resta o mínimo de dignidade para ficar enojada com a proibição dos fretados no centro expandido. mas que se fodam os trabalhadores que precisam deles, que se fodam os trabalhadores que ficam horas espremidos na merda de transporte público existente, que se fodam os drogados que frequentavam a luz que agora vai ficar tão bonita, que se fodam as as crianças que comem merenda estragada em escola pública. que se foda também se você vai conseguir se eleger de novo daqui a três anos, capaz que sim, as pessoas esquecem, não é mesmo? e se não esquecerem em três, esquecem em cinco, e se não esquecerem por bem, esquecem por mal, você contrata um marqueteiro e mostra na tv tudo de bonito que você fez. aí, kassab, parabéns, tô com você. eu engrosso o coro dos leitores da folha que te parabenizam por ontem trafegar com seus carros na juscelino e na paulista às seis da tarde. e acho, como você e sua trupe devem achar, que os outros leitores, que não têm mais como chegar ao trabalho, são é recalcados pela falta de carro, por não poder usufruir de um trânsito agora mais livre. aí, é isso, kassab, o que importa mesmo é nosso bem estar. o resto, como foi e sempre será, é resto. que se foda.

28.7.09

BIKE PRA IR PRA BALADA


né? 

ALGODÃO




sky play

LOOKING INTO THE PAST




"looking into the past" é uma galeria linda deste flickr

LOLA'S CELEBRATION

estas caixas lindas de cupcakes lola's são pra dizer pra l.f. james que, a partir de agora, não é humilhação ela ter que pedir uma pizza para outra pessoa - não podendo comer. é um acontecimento natural, mesmo que pareça sacanagem da vida. algo como minhas melhores amigas aos 18 anos lavarem o cabelão liso e brilhante com colorama e deixarem secar ao natural enquanto eu precisava usar xampu especial e fazer duras horas de escova pra ficar com o cabelo parecido com o delas. numa época em que não existia nem chapinha. como aquela propaganda do seda, em que o cabelo da menina fica como juba leão no fim da balada.
parece sacanagem da vida? ah, vai valer o sacrifício, você vai ver! e se inventaram até escova definitiva, lola, é porque pra tudo nesse mundo há solução. e remédio...

caixinhas daqui

REMENDO

no trend de la creme, sob o título "it's official: knee-centric leggins are a trend", um post cheio de leggings com proteção no joelho, das mais variadas marcas. esses aí de cima, do marc jacobs, são os mais bacanas, na minha opinião. mas o melhor é a tirada: "just exactly what built-in knee pads are good for? i'll just have to let you figure that one out for yourself."
uai, é pra proteger caso a pessoa leve um tombo. pra que mais seria?

DA TENTATIVA DE VIDA E DE MORTE


às vezes, um tema aparece em multimídia na sua vida, e ao mesmo tempo. desta, não muito palatável, mas ainda assim interessante, foi suicídio. 
sábado passado, lendo "indignação", do philip roth e assistindo a "há tanto tempo que te amo", no cinema. semana passada, sabendo da da tentativa, há cerca de um ano, de uma adolescente que conhecia de vista. tentativa porque, graças a deus, e apesar da gravidade, a menina sobreviveu (e está bem). 
então fiquei pensando, comentei com a tha e depois com a simone (que é advogada) sobre o fato de, nos estados unidos, a tentativa de suicídio ser penalizada. ou seja, quem tenta se matar comete um crime e está sujeito à punição. não fui atrás da lei americana, mas imagino que a pena seja tratamento médico, provavelmente psiquiátrico. e obrigatório, porque é pena, imposta pelo estado. o que me leva a pensar que, se num primeiro momento soa sem sentido punir uma pessoa que atenta contra a própria vida, num outro, a lei nada mais é do que o estado chamando pra si a responsabilidade de cuidar dessa vida, já que o indivíduo prova incapacidade em fazê-lo. 
bem maior, a vida pode ser tutela do estado? por outro lado, o estado pode tratá-la com total descaso, como faz por aqui? 
porque embora não pareça, na américa do norte, do sul, no alasca ou na terra do fogo, todas as vidas têm o mesmo valor. 

POSY GIRLS

eu quero a minha miniatura. a de vestido vermelho. :P
etsy

27.7.09

NICK E MEG




é que nem lá em casa (minha casa de origem, onde moram o ziggy e a maya): o nick é siamês, mais velho e mais esbelto. a meg é vira lata e, depois que foi castrada, engordou, ficou bolota. a diferença entre o siamês da simone (acima) e meu é que o dela tem os olhos vesguinhos pro lado de fora (ela vai falar que não, que são perfeitos) e o meu, pro lado de dentro. já eu não liguei quando ela disse que o ziggy é estrábico, mesmo porque ela foi a única pessoa que concordou que o formato do focinho dele faz com que pareça que ele tenha uma chupetinha na boca. owwww

UPDATE: imagina se a simone não me ligou: isabeeeela (esticando no e, como de costume), o nick NÃO é vesgo. eu acredito, simone. mas é que na foto parecia, sorry. mas o ziggy tem chupetinha, né?

NA ANTENA DO PRÉDIO



tem lá seus momentos-clichê, tanto no roteiro, como na interpretação e na direção. tem, e é meio difícil não reparar neles. mas então tem também aqueles outros, que se encaixam perfeitamente na sua vida; aquela frase que você já disse (ou não, e por covardia), aquela vez que você chorou por motivo parecido, aquela outra em que você também sentou no chão e pensou em como é foda se relacionar. 
é um pouco do que eu andei pensando - e comentei ontem com a tha - sobre "cuide de mim", da sophie calle: o melhor de tudo na arte, é o que ela suscita em você. do sentimento à criatividade. acho que supera o valor da obra como perfeição (ou falta de) técnica. pra mim, deixa até de importar. 
quanto ao british accent, hmmm ... não é que me apaixonando por ele?

26.7.09

I WISH

parede de tijolinhos, quintal, macbook, uma bicicleta pra mim e outra pra ele. é tudo o que eu quero agora. (no dia da foto ainda fez sol até às dez da noite e rolou um bbq muito bom, feito por um inglês, um alemão e um indiano que comia carne de boi). tá vendo como nada é impossível e o que eu tô pedindo até que é simples? are baba, viu!

25.7.09

IL Y A LONGTEMPS QUE JE T'AIME

a crítica do omelete não é positiva e agradeço pela sorte de tê-la lido somente agora. porque eu adorei o filme "há tanto tempo que te amo". 
ainda assim, continuo gostando das críticas do omelete. mas a minha crítica-  nada técnica, e sim totalmente emocional - é de que o filme é lindo. 

BEATRIZ


mês passado eu li dois livros seguidos do mario benedetti e, por causa do post abaixo, lembrei de um trecho de "primavera num espelho partido" que não posso deixar de postar. é do primeiro capítulo em que fala beatriz, "nove anos; dez, talvez". chama-se "as estações": 

"meu avô rafael diz às vezes que vai se recolher para seus quartéis de inverno. não sei por que não se recolhe para seus quartéis de verão. tenho a impressão de que nos outros ele vai tiritar, pois é bem idoso. nunca se deve dizer velho, mas sim idoso. um menino da minha sala disse que sua avó é uma velha de merda. eu ensinei que em todo caso deveria dizer idosa de merda."

o livro é triste, de certa forma. mas há os capítulos de beatriz, que entrecortam a tristeza tão perfeitamente.

VELHA DO MAL

dona vilma é uma senhora de uns 80 anos, chatíssima e minha vizinha de porta. todo dia em que me deparo com suas mesquinharias, desejo firmemente ela vá logo desta pra uma melhor. que pode ser uns dos apartamentos da frente, já que o dela é alugado e dona vilma detesta morar de fundos. mas ninguém parece ouvir nossas preces e ela segue ao meu lado, há longos oito anos.
já nos demos melhor, mas desde que eu aguentasse ouvi-la falar mal - da vida, dos outros, de mim, velada e indiretamente. nunca ouvi dessa mulher uma palavra bondosa. 
apesar de ser obcecada por limpeza (ela obriga a faxineira a polir o cabo que liga o fogão ao gás), ela não permite que a moça passe aspirador no meu lado do hall de entrada - o que dá um grandissíssimo nó na minha cabeça, já que metade de um carpete sujo é, sem dúvida, um carpete sujo inteiro. uma vez, ela me perguntou se as marcas de pisada no tal carpete eram porque eu sapateava nele. não sei se ela imagina que eu possa flutuar do elevador à minha porta e só não o faça para provocá-la. numa outra ocasião, deixou um bilhete num horrendo vasinho de flores que adorna uma horrenda mesinha do seu lado do hall, com os dizeres: favor não pisar. lamento não ter fotografado.
mas só reclamei com o zelador quando dona vilma decidiu, pela segunda vez, perfumar esse espaço que compartilhamos com umas 20 sprayadas de um cheiro que entrou na minha casa e aqui ficou por uma semana, me causando enxaquecas fortíssimas. na primeira vez, toquei sua campainha e pedi educadamente que não mais o fizesse, já que o cheiro era muito forte e me fazia mal. dez dias depois, a despeito de minhas queixas, ela repetiu a dose. amassei um monte de bolinha de jornal e joguei em frente à sua porta. infantil? funcionou por um bom tempo.
então, um dia, com a entrada de serviço interditada por obras do condomínio, só era possível usar o elevador social. quando abro a porta para sair, dois homens munidos de escadas e latas de tinta recebiam de dona vilma permissão para pintar as paredes do hall - interditando-o. expliquei que iria voltar e não teria como entrar em casa, já que todo o prédio estava em obras. ela ignorou minhas palavras e mandou que os homens continuassem o serviço. saí e, a partir de então, desejo, com todas minhas forças, que essa senhora, capaz de falar mal de um velhinho* que acabara de morrer (viu que nem colocaram nem aviso no elevador? é que ele não era boa pessoa) vá mesmo desta para uma melhor. seja o apartamento de frente ou o fogo do inferno. que velhinhos não são bons apenas porque são velhinhos. eles podem ser do mal. e para agilizar sua ida para onde quer que seja, agora que ela voltou com a carga de spray no hall de entrada, escrevo aqui enquanto espirro e penso se jogo um balde de água ou um monte de bituca de cigarro na sua parte limpíssima do carpete. que guerra é guerra. e velhos maus são apenas jovens maus que envelheceram.

*o velhinho que tinha morrido era marido da minha outra vizinha, que é uma senhorinha fofa. e há vários outros velhinhos queridos aqui no prédio, com os quais me dou muito bem. ela, bem, ela não tem amigos.

24.7.09

PORQUE EU SOU LINDÁ, ABSOLUTÁ

que a stephany é mara e eu adoro ela. e como cada um tem a stephany que merece, trashy berlin com alexander marcus e a faixa papaya, papaya.



OPS, TOMEI UM BRONCA!



as caras do theo quando ele toma bronca, definitivamente, são impagáveis. 
e olha que eu recebi essas fotos agora, sem nada escrito. mas conheço essa carinha linda (e séria), esse olharzinho baixo, esse biquinho brabo... ai jesus, te muerdo!
(theo, a titia deixa você jogar areia nela, viu? deixa sim...)

23.7.09

100 DIAS PARA LER ANTES DE MORRER


100 desenhos e historinhas do francês dran, à venda na galeria mais legal de londres, que é do artista e figura mais gentil também.
*o site do dran merece uma super visita.

FATALISMO

("...) quando toda decisão é difícil, nenhuma decisão é tomada. continuávamos a nos ver e dormir juntos e fazer planos para visitar paris no natal. a falta de decisão incorporava a esperança de que, não fazendo nada, outra pessoa pudesse tomar a decisão.
---o que você tem, quer conversar? eu não aguento mais essa situação, tô vendo nos seus olhos que algo está muito errado e você não quer dizer. eu não quero mais isso. foi assim que em 2004 ela perdeu um amor. com ele foi a cor das paredes de seu quarto e o sossego de sua avó. não tinha fome, só lágrimas. mas aprendeu a fazer do-in e não parava de se beliscar na tentativa de, com o dedo alfinetado no ponto certo, fazer a dor passar. rosto em lágrimas, sem chão, sapato, direção.
("...) não existem certas verdades básicas a serem apreendidas, fragmentos de visões que pudessem impedir alguns dos entusiasmos excessivos, a dor e o desapontamento amargo? não é uma ambição legítima se tornar sábio acerca do amor, tanto quanto alguém pode se tornar sábio acerca de dietas, morte ou dinheiro?
---ela não entendia nem aceitava. não conseguia pensar nela como um indivíduo e não como um subproduto rejeitado. estava sozinha. o presente estava degradado na história e na nostalgia. no amor, você é o que é. até que você se vê no outro e então o outro muda você. ela não sabia mais viver sem ele.
("...) nas semanas seguintes, insisti para que retornássemos a cinemas e restaurantes onde havíamos passado noites agradáveis. revisitei piadas de que havíamos rido juntos, readotei posições que nossos corpos um dia haviam moldado.
---não funcionou. o amor tinha acabado de verdade e não havia nada a fazer. ele, culpado, chorava para os amigos que também não podiam ajudar. então ele se afastou, passou uns meses na europa e guardou, bem fechadinha, aquela história. foi quando ela voltou a respirar, conheceu outras pessoas, voltou a fazer o que gostava. leu, ouviu muita música triste. depois do trabalho, caminhava pela paulista de ponta a ponta até se sentir melhor. no metrô, chorava compulsivamente. chegava em casa, tomava um banho e se encontrava com as amigas. no bar, ia para o banheiro e chorava mais. foi assim, dia a dia, que as lágrimas foram secando e ela foi recuperando a felicidade.
("...) ser amado por alguém é perceber o quanto eles partilham das mesmas necessidades dependentes da resolução do que nos atraiu a eles em primeiro lugar. não amaríamos se não houvesse carência dentro de nós, mas por paradoxo, somos ofendidos por uma carência semelhante no outro.
---o tempo foi passando, as coisas mudando. ela ganhou um livro muito especial de um amigo mais especial ainda. com o livro ela passou a entender sua história. chorou um bocado. algumas páginas quase não resistiram ao chorrilho. comprou um livro igual e deixou na portaria dele. deixou ali com um mensagem seca. e só foi saber que ele tinha lido, amado e chorado muito quando ela estava muitíssimo bem, de novo apaixonada. ele quis conversar, voltar atrás. não deu. ela já tinha encontrado uma outra parte.
("...) foi o beijo mais doce, tudo o que alguém deseja que um beijo possa ser. houve um leve roçar, tentativas suaves que secretavam o sabor único de nossas peles, isso antes que a pressão aumentasse, antes que nossos lábios se abrissem e depois tornassem a se juntar, bocas sem fôlego articulando desejo. apertou seu corpo mais ao meu, nossas pernas se enroscaram, tontos, desabamos no sofá, gargalhando, agarrando um ao outro.

*de trás pra frente (passando por elipse, contrações, medo da felicidade, confirmação do eu e fatalismo romântico), trechos do livro ensaios de amor, de alain de botton. na ordem certa, uma história que ficou guardada na estante e que hoje, cinco anos depois, abriu sem querer. numa tarde clichê, de frio e chuva.
**a foto foi tirada em bricklane, londres. no mesmo lugar onde a história (do livro) aconteceu.

BELICHE DE GATINHO

spacedust

BETTY AND MILDRED

daqui

LEMBRETE

anatomy of a muse