14.7.09

PELA LIBERAÇÃO DA PINÇA PÚBLICA


a carolina (dermato) me deu uma loção pra passar no couro cabeludo que tira a oleosidade excessiva (na verdade, eu inventei, ela falou que existia e passou a receita. mas tenho procurado não mais manipular os médicos). na frente do espelho, me senti na propaganda do grecin 2000, o que não deixa de fazer sentido, já que eu tenho uns cabelinhos brancos irritantes despontando.
todo mundo diz que é errado, mas já faz um ano que eu arranco esses  brancos com pinça. e essa relação mulher-pinça-pelos vem desde a puberdade, pra todas. é um prazer inenarrável. 
quando eu comecei a tomar sol no clube, com uns 13 anos, era época da aeróbica, dos biquínis asa delta e do rayto de sol. a mulherada meio que tava se liberando e tinha um grupo que mandava ver a pinça na virilha ali mesmo, na borda da piscina. achei o máximo e fui fazer isso na casa da praia, num churrasco. as mulheres da família ficaram meio horrorizadas. que porra de preconceito é esse que determina que o ritual do arranca pelo tem que ser feito a portas fechadas? é pinça, não é vibrador. e é um pelinho ou outro, não uma depilação completa.
uma outra vez, na mesma época, eu tava sentada na cama puxando uns pelinhos que escapavam do biquíni e quando minha tia entrou no quarto (depois do acontecido do churrasco), fiquei constrangida e parei. ela veio até bem perto de mim perguntar o que eu tava fazendo, olhando para minhas partes íntimas (hahahah). tia, eu tava SÓ fazendo uma depilaçãozinha básica, tá? mas se não fosse, juro, você teria me reprimido. e traumatizado.

3 comentários:

lola disse...

me passa a receita....

thais disse...

não sendo pelo de pinta eu acho suuuper ok. ahahahaha

isabela disse...

ai, gente, tinha esquecido daquela mulher, nojoooo master. vc não tá mais perto dela agora, por acaso?