31.3.10

A CADA MIL LÁGRIMAS SAI UM MILAGRE



lendo o post da nana, que tem uma foto de cariri, me lembrei de itamar assumpção e do cd de que tanto amo, bicho de 7 cabeças vol. II, dele com as orquídeas do brasil. cariri me trouxe "ai que vontade", uma música absurda de linda. que me trouxe "milágrimas", que transcrevo mais abaixo e é praticamente um poema.

então levei o computador pra cozinha e fui fumar um cigarro na janela, apesar do frio (que voltou, só pra contrariar a chegada da primavera). ouvi mais de uma vez, bem alto, pra abafar o som da máquina centrifugando a roupa. pensei nos vizinhos ouvindo uma louca cantando a mesma música seguidas vezes, numa língua estranha. só parei quando o cigarro acabou. e para registrar este post.

milágrimas
(alice ruiz e itamar assumpção)

mulher,
em caso de dor ponha gelo
mude o corte de cabelo
mude como modelo
vá ao cinema dê um sorriso
ainda que amarelo, esqueça seu cotovelo

se amargo foi já ter sido
troque já esse vestido
troque o padrão do tecido
saia do sério deixe os critérios
siga todos os sentidos
faça fazer sentido
a cada mil lágrimas sai um milagre

caso de tristeza vire a mesa
coma só a sobremesa coma somente a cereja
jogue para cima faça cena
cante as rimas de um poema
sofra penas viva apenas
sendo só loucura ou fissura
quem sabe casando cura ninguém sabe o que procura
faça uma novena reze um terço
caia fora do contexto invente seu endereço
a cada mil lágrimas sai um milagre

mas se apesar de banal
chorar for inevitável
sinta o gosto do sal do sal do sal do sal
sinta o gosto do sal
gota a gota, uma a uma
duas três dez cem milágrimas
sinta o milagre
a cada mil lágrimas sai um milagre

[e não é a primeira vez que posto sobe esse cd. aqui, também. nov 2008]

COM AÇÚCAR COM AFETO - II



da áustria, além de um livro incrível do klimt, martin me trouxe o sacher, um bolo típico que existe no hotel de mesmo nome e cuja receita é mantida desde 1832.

inteirinho de chocolate. claro.

delicious. everything.

and like i tell (him), so cute!

30.3.10

COM AÇÚCAR COM AFETO


chegou só sábado passado o cartão que eu mandei pra minha mãe antes de 14 de março, dia das mães no reino unido. a resposta dela a um dos quotes de "terms of endearment" que eu escrevi:

"amei nosso link com o filme, specially the last one: 'that's because you're never satisfied with me'.
but you're wrong: i'm grateful because you're my daughter. i love you so much but i'm always concerned about you because i don't want you suffering, never. have a nice time. love. mummy".

really sweet, isn't it?

domingo, ficamos mais de uma hora no telefone, dando muita risada. então hoje, quando chegou esse email, eu pensei que foi mesmo acertada minha decisão de vir pra cá, entre outros motivos, para cortar nossa simbiose. porque ela nos faz brigar, e feio. e desde minha vinda, contando os dois meses em que eu voltei pro brasil e morei com ela  - numa super boa - tem sido assim.

really sweet.

(eu e minha mãe, em cumbica, quando voltei do meu ano sabático na califórnia)

THEY BITE YOU

ontem, primeiro dia de aula, o professor vem com aquela ideia de "conheçam a pessoa do seu lado e depois falem sobre ela para o resto da classe".

virei pro garoto à minha direita e fiz umas perguntinhas. quando acabei, ele me olhou e, antes de saber qualquer coisa sobre mim, disse:

- wow, you sound like a journalist!

já disse algum sábio de almanaque por aí: o problema não é tirar o homem do jornalismo. o problema é tirar o jornalismo de dentro do homem...

pro menino eu respondi apenas:

- sorry about that.

28.3.10

GODWIN'S LAW REVISITED


no guardian de ontem, david mitchell revisita o princípio internético dos anos 90 - "as an online discussion grows longer, the probability of a comparison involving nazis or hitler approaches 1"- do único jeito que deveria ser permitido escrever artigos.

um parágrafo, abaixo em tópicos (pra deliciar ainda mais a leitura), de 'before you start mouthing off about hitler, you'd better know your nazis':

gandhi was like hitler because he too was hated by churchill.
lord adonis is like hitler because he's also commissioned road-building.
harold shipman is like hitler because he's also a murderer.
co-presenter of 'homes under the hammer', lucy alexander, is like hitler because she also has opposable thumbs and is therefore much more like hitler than, say, a toaster or droitwich.
and lacrosse is like hitler in that i think they both only have one ball.


(e pra quem não sabe - eu não sabia - lacrosse is a game played with a small rubber ball)


comics xkcd via boing boing

27.3.10

NUNCA +


na nike de covent garden

"QUEM SABE DE TUDO NÃO FALE, QUEM NÃO SABE NADA SE CALE..."


sob uma foto da nana (a que está acima), jotabê escreveu a seguinte frase (legenda?):

"dizem que, em algum lugar do ceará, há uma árvore que aderiu às ideias do domenico de masi e tornou-se manifestante solitária do 'direito sagrado ao ócio'."

já eu...

...digo que, em qualquer lugar de onde quer que esteja, há uma mulher que aderiu às ideias de paulinho da viola e tornou-se manifestante solitária do 'direito sagrado ao silêncio'.

que eu só tagarelo nos intervalos da solidão sem barulho de que tanto preciso.

silêncio, por favor...

[por jards macalé]

VOCÊ ESTÁ AQUI


o talento que eu não tenho - e tanto me frustra - nas mãos de anika mottershaw. esse mapa é da zona 1 e tem hoxton e old street (onde eu ainda moro) com uma velhinha fofa dizendo "i own this joint". no flickr dela dá pra ver grandão, com todos esses cute mini detalhes.

tem também hampstead heath, notting hill, king's cross and islington e stoke newington (que eu não faço a mínima ideia de onde seja).

via londonist

26.3.10

UMA NOITE NO MUSEU


um dia, eu quero jantar no museum of natural history. não sei se é coisa de turista e, se for, provavelmente não vá mais querer. mas hoje, saindo da exposição wildlife photographer of the year, primeiro vi aquele monte de gente segurando copos de vinho (pensei: deve ser um coquetel). então, vi que havia um monte de mini grupinhos, com gente sentada e em pé, segurando garrafas de vinho (pensei: que brega, eles trazem de casa)
mas a brega sou eu, que pensa demais. o bar do museu (você tem que pagar, óbvio) vende garrafas ou taças de vinho e cerveja. e, acho eu, nem tem a ver com a exposição, você simplesmente pode sair do trabalho e ir tomar uma (taça ou garrafa, de vinho ou cerveja) lá. sexta-feira, único dia em que o museu fica aberto à noite.

mas eu não bebi nada porque estava cansada. deixei a dri e as duas inglesas queridas (amigas dela) lá e cruzei o museu de volta para sair. antes de me perder, passei pelo restaurante. e fiquei maravilhada com aquele ambiente que não sei se era a céu aberto ou se tinha um pé direito tão alto que parecia infinito. ou eu tava realmente cansada.

a foto acima, de robert friel (uk), é a das que mais gostei na exposição. a legenda: "walking on the beach in south georgia, a king penguin chick stopped to examine the footprints robert left behind. 'it's a reminder that, however brief our visits, our presence leaves a mark'".

e tem fotos incríveis tiradas por crianças de até dez anos,  por adolescentes e, claro, por fotógrafos profissionais.

A SUPERIORIDADE DE KATE MOSS


ontem à noite o programa "peladas em debate" - alcunha dada pelo marsiglia, que começou o tumulto postando fotos de mulheres estonteantes e... peladas - foi minha diversão no facebook (facebuh pra ana lis). ele, eu, a ana e simone (amigas dele e, agora, - lucky me - minhas também) ficamos horas debatendo positivamente a beleza feminina. elas, com frases hilárias. claro que a gente não meteu pau nas deusas. isso chama inveja.
hoje, pra coroar, encontro o ensaio absurdo acima feito pela kate moss pra vogue hommes de abril. morram, que eu já tô morta faz tempo.

25.3.10

HAVE I MADE MYSELF CLEAR?


9gag

LONDON RENTAL SCAMS (VERSÃO BRASILEIRA HERBERT RICHERS)


pra mim, isso é coisa de menino. pode me chamar do que quiser, mas procurar apartamento, na minha concepção e inabilidade, é função masculina. só que vesti a fantasia de she-ra e entrei no gum tree. digitei studio flat hoxton e achei uma pechincha de encher os olhos. 450 pounds para morar sozinha, faça me o favor, pra ontem. mandei email e, no dia seguinte, recebi a resposta.
all included, inclusive gás e eletricidade. comentário frase feita: quando a esmola é demais...
desconfiei.
respondi de novo dizendo pro cara que eu precisava ver o apartamento - detalhe óbvio não referido por ele em nenhuma das 350 linhas de um inglês mal escrito. estelionatários falam bastante, pra te enrolar. a resposta do cara:

"thank you very much for your answer. so for a viewing or want me to reserve my property down for him/she will have to show me a proof of there seriousness in the property, well this is what you will have to do for me before i can come down for the viewing. you will pay cash to werstern union cash collection (£900)..."

olha, moço, eu acho que isso é coisa de menino. mas não porque eu seja burra.

EXCHANGES

quando eu decidi largar tudo e vir em busca do que eu queria (a gente chama isso de felicidade, embora soe piegas) eu sabia que estava apenas trocando dores e medos conhecidos por dores e medos desconhecidos. não existe wonderland, sorry alice. o que vale na troca:

o novo não te dá tédio
você sente prazer no desafio (claro, depois que passa)
a infinitude de prazeres desconhecidos (porque não tem só dor e medo na porra da vida)

então, pensei eu, tô no lucro. mas isso, na verdade, nem está em questão. é que meu problema agora é achar um outro lugar para morar. minha única e deliciosa certeza no brasil.

no rush.

isso eu pensei ontem, depois de ficar zonza. e depois de descobrir que em londres também existe 171. o post que antecede este.

24.3.10

17.3.10

TO MY NEPHEWS



sometimes i'd like to be there just to tuck them in

A VIAGEM, O SONO E O CIGARRO DE MARGARET DUROW


aqui, o flickr

JE T´AIME ... MOI NON PLUS




nega, a música do seu post.

A HOMENAGEM DELES





segunda e ontem, na folha. hoje tem mais.

DE SYLVIA PLATH E DE COISAS QUE LEVAM A OUTRAS


Conheço pouco de Sylvia Plath, menos ainda depois de ter ficado horas lendo e tentando interpretar seus poemas. O da imagem acima é um trecho de mad girl's love song, que achei uma vez num tumblr e guardei.
Então, tentando encaixar as onomatopéias inglesas na gramática (as brasileiras fazem parte das "figuras de linguagem"), caí também na definição de um dicionário que uso muito e, lendo tudo até chegar em encyclopedia...:

"Onomatopoeia may also refer to the use of words whose sound suggest the sense. This occurs frequently in poetry, where a line of verse can express a characteristic of the thing being portrayed. In the following lines from Sylvia Plath's poem "Daddy", the rhythm of the words suggests the movement of a locomotive: 'An engine, an engine chuffing me off like a jew. A jew to Dachau, Auschwitz, Belsen'."

Sim, eu achei daddy. E li umas 50 vezes e li comentários de fóruns. O poema tinha o motivo principal. E tinha até o side dish.

Sobre este último:

Eu chamei ele de ranzinza. Ele adorou a palavra em português. eu disse que o som tinha a ver com o sentido. Ele disse que onomatopéias, em inglês, eram também isso (como escrito ali na definição do dicionário). "Em português é diferente, mas não lembro o nome [aliteração]. é uma outra figura de linguagem". E então este texto volta ali para o primeiro parágrafo - e não para o segundo. A emenda nunca pode ser literal, para não perder a poesia.

And no pun intended.

[Como também existe alliteration nos figures of speech da gramática inglesa, fiquei mais perdida do que nunca. O melhor é que minha confusão já começa na gramática brasileira. 10 a 0 pra bola, como sempre]

ORÁCULOS




outro dia, eu disse pro martin, brincando:
- uma hora este cartão não vai mais passar. e quando isso acontecer... eu uso o outro!

ontem, quando isso aconteceu, não foi nada engraçado. por três pounds meu cartão foi rejeitado no supermercado. hmmm.
fiquei puta mas, como eu sempre digo, a raiva também é um sentimento bom, se bem usada - e voltada só pra você, óbvio. ela te põe pra frente (aprendi com a primeira astróloga que fez meu mapa astral, aos 15 anos). well, cheguei em casa e vi um monte de coisa de trabalho.

mas aí, fui conferir meu extrato, e vi que não era um problema de falta de dinheiro na conta e, sim, de falta de limite no cartão. waaaay to easy to solve. and already solved.

então, hoje, chega meu horóscopo personare (que eu amo e foi indicado pela thais) por email e...

"(...) num sentido geral, esta tende a ser uma excelente fase para comprar roupas novas, embelezar-se ou ao seu ambiente doméstico. a vaidade é uma marca deste momento e pode ser claramente aproveitada...".

e se vênus quer, quem sou eu pra fazer o contrário...

[outras previsões, de outros oráculos que consultei nos últimos tempos, estão se concretizando. até algumas mais sinistras]

a imagem, cheias de boas ideias pra pequeninas tattoos, é daqui

15.3.10

DO LEWIS CARROLL



"if you don't know where you are going, any road will take you there"

...

"but it's no use going back to yesterday, because i was a different person then"

DO TIM BURTON


a quote que mais gostei não está no imdb e em nenhum outro lugar em que eu tenha procurado. so, not literally, but something like that...

alice to aunt imogene:

"you have to do something about your delusions"

espetacular!

[não consigo me encantar tanto com o 3D nem com as super produções. achei lindo, mas só]

14.3.10

MOTHER'S DAY IN ENGLAND. TODAY


hoje foi dia das mães na inglaterra.  em vez de ser no segundo domingo de maio, é "on the fourth sunday in lent. the forty days (not counting sundays) before easter are known as lent. this is the time of the year in england when the days begin to lengthen with the coming of spring".

eu mandei um cartão pra minha mãe. com a explicação acima e dois memorable quotes. assim: i was wondering... wich movie could most represent our mother-daughter relationship? terms of endearment!
porque eu adoro colocar uma pimentinha na fofureza :P

aurora greenway (shirley maclaine): i just don't want to fight anymore.
emma horton (debra winger): what do you mean? when do we fight?
aurora greenway: WHEN do we FIGHT? i always think of us as fighting!
emma horton: that's because you're never satisfied with me.

...

aurora greenway (to the doctor): it's past ten. my daugher is in pain. i don't understand why she has to have this pain. all she has to do is hold out until ten, and IT'S PAST TEN! my daughter is in pain, can't you understand that? GIVE MY DAUGHTER THE SHOT!

"YOUR LITTLE TOWN"


no começo, eu achava que era frio demais. e era, porque estava frio demais em londres, no geral, e porque lá é mais alto, mais aberto, sem prédios pra barrar o vento. então, com a primavera chegando, muswell hill foi ficando menos frio, e ensolarado a ponto de, por duas vezes, o sol se por tão pink que o céu parecia de mentira.
mas nem é só isso. dá para tomar os melhores cafés da manhã nas duas ruas principais - e, geralmente, eles são franceses. num, como eu já disse aqui, tem os melhores eggs benedict do mundo; noutro, crepes; noutro ainda, croissants. e por aí vai.
e, depois, você passeia pelas ruas de casas com fachadas eduardianas até chegar a highgate wood que, por enquanto, tem uma ou duas flores, mas vários botões. e muitas e gigantescas árvores.
parece uma cidade do interior. ou, como eu digo pro martin, "your little town". porque, agora, já dá pra tirar o "cold" do meio da frase.

12.3.10

CATMIND

da ms magazine pra

UM MILAGRE ENTRE A PRIMARK E A H&M


andando na rua depois de sair da primark, com aquela sacola de papel reciclado abarrotada de peças de até cinco pounds (eu sempre peço pra mulher do caixa uma sacola menor. bom, pedia), olho pra h&m do outro lado da rua e, mesmo fora da faixa de pedestre, mesmo entre dois ônibus, imito o moço e corro pra atravessar errado.
muito errado. que porra eu ia fazer na h&m sem dinheiro?
então, assim que eu chego do outro lado da calçada, a sacola da primark abre completamente embaixo e todas as minhas roupas se espalham pelo chão (incluindo as calcinhas que eu comprei pra rita). ai.
mas, no mesmo segundo - e eu juro por deus e pelos meus sobrinhos - uma senhora parou na minha frente, tirou de dentro da bolsa um quadradinho envolto em um elástico que, desfeito, se transformou numa sacola de plástico. ela me deu e disse: 'eu carrego sempre comigo para emergências". agradeci de todas as formas enquanto recuperava meus bens recém adquiridos (é barato mas custou) e desacreditava no que estava acontecendo. era uma sacola de loja, grande, de verdade. sem ela, eu faria o que? então, segui em frente. e em frente estava a h&m (não é porque tinha acontecido um milagre que eu tinha virado santa).
so, milagres acontecem. em se tratando de bondade humana - juro por deus e pelos meus sobrinhos de novo - , aqui, mais do que nunca.