31.7.10

CAPITÃES DE AREIA



uma matéria sobre minas abandonadas de diamantes, na namíbia
uma única foto - de kolmanskop, rica vila na época do minério local, na região sul, agora cidade fantasma
e o fotógrafo álvaro sánchez-montañés prometeu a si mesmo experimentar o deserto.
quando chegou lá, encontrou "beleza no abandono, no que o tempo fez sem função"
ao relento, as casas deixaram que o vento as enchesse de areia
e o que foi um vilarejo próspero diamantino,
hoje parece uma realidade surreal.

30.7.10

INCEPTION


ontem, assisti à inception.

...

ontem à noite, descobri que dois braceletes meus, de ouro, foram roubados. mexi na minha caixa de jóias e eles não estavam mais. a pessoa que pegou imaginou que, se eu ainda percebesse enquanto estava lá, em sua casa triste, ela poderia culpar a menina que era pobre. mas pobreza é projetar sua miséria de amor na falta de dinheiro alheia. e uma coisa não é a outra. eu não poderia provar, como não posso agora, mas saberia que foi ela, nem cogitaria diferente.

minha raiva de não ter mais os braceletes era menor do que a raiva que eu sentia daquela pessoa pequena, que admitia roubar no trabalho e contava que o fez tantas vezes, achando que estava certa. que pegou meus braceletes, num primeiro momento, para tirar de mim e não para ter. é esse o conceito. é essa a falta de valor. já deve ter vendido.

mas minha vida é abundância. e ela, sempre, piegas ou não, começa pelos sentimentos, que começam pelo amor. sendo assim, mil braceletes virão. meu maior problema, ontem, era sentir aquela raiva; não encaixava em mim, me dava náusea. não queria dormir daquele jeito. então respirei. e rezei.

...

hoje de manhãzinha, estávamos na casa da minha avó. eu, minhas tias, minhas primas, meus irmãos. e a menina que roubou os braceletes. ela, a contragosto, me devolveu os dois. é que, em alguns momentos, estávamos também na casa dela. mas não me lembro de como chegamos lá.

[isto não é um spoiler mas, infelizmente, só vai entender o último parágrafo quem viu o filme. o importante é que, reaver os braceletes dessa forma me deu a certeza de que tudo está no caminho certo. e não me pergunte a relação ou a razão. eu sei, mas meu próprio roteiro eu não vou spoilar]

LADYBUG AND LADY SMOKE



na madrugada de terça, para libertar uma joaninha voadora, eu quebrei a maçaneta da janela. antes de abrir. ficamos presas, sem ar, eu e a joaninha. só que ela não fuma.

ontem, conversando profissionalmente com um cara, tive de responder de bate-pronto se eu fumava ou não (ei, peraí, você pensa que é só você que está aqui analisando? já senti seu leve cheiro de cigarro de filtro branco). fumo, mas quero parar. "que bom. e não pare".

na maioria das vezes em que me dá vontade, não posso. nas vezes em que posso, não tenho vontade. em algumas, faço, só pela sensação infantil de poder. "coisa feia uma mulher fumando na rua, andando", disse minha ex-fumante mãe, uma vez. concordo, fazer o que? pior do que carregar alguns preconceitos, é não admiti-los.

quero o vinho rosé com pub à luz do dia e cigarro coletivo das mulheres. elas fumam mais que eles. que bom para o meu prazer feminino. ainda assim, quero parar. porque você pode até não fumar. mas tem que ser, pelo menos, ex-fumante. em sendo também mulher, i mean.

[das últimas frases, também, a questão é admitir. embora eu deseje que elas sejam mesmo um conceito prévio. e que se prove torto]

imagem

HOMENAGEM-METALINGUAGEM




amei, mool-yer-zeen-ya!

28.7.10

FLASHDANCE REVISITED



isto foi o mais próximo que achei da cena em que a jennifer beals tira o sutiã por dentro da blusa. ou seja,  não achei.

a tirinha é cornflake

SE TODOS GOSTASSEM DO PRETO...




... o que seria do banksy?

no regent's canal, acho que na altura de shoreditch

MEU SOBRINHO MODELO



era óbvio que o tomás, blue eyes, ainda ia virar modelo. nem que fosse da própria escolinha. na foto, abraçando a lála (lara), que ele tanto adora. eu ia escrever ama, mas quem ama, ama, ama mesmo, do fundo, de doer de saudade, sou eu.

CHICO ROCK'N'ROLL



eu não conhecia. e é fantástico!
do fb do rz

27.7.10

ÉRAMOS 5



eram dois. casaram, e depois de dois anos, viraram três.
dois anos e dois meses depois, viraram quatro.
dois anos, dois meses e dois dias depois, viramos 5.

alguns anos depois, quase viramos seis. por um fim de semana, acolhemos uma garotinha órfã e a levamos conosco para conhecer o mar.
mais tarde, também viramos seis com a chegada de uma tartaruga que, meses depois, foi morar na casa da praia.
um ramster também se juntou a nós, mas por pouquíssimos dias. mal dá para considerar que fomos seis.

até que, no começo dos anos 90, viramos três.
meus dois irmãos foram dividir um apartamento. e eu fiquei de filha única.

eles então pegaram um gato.
agora, eram três aqui e três lá. um ano depois, com a chegada de uma gata, eles viraram quatro.

nós continuamos três até a chegada de um gato, um ano depois. e ficamos assim, quatro num apartamento enorme, por mais quatro anos. então veio uma gata e, meses depois, me fui. mas só por um ano.

no que era aqui (comigo), ficaram quatro, sem mim.
no que era lá: três, quando um foi mochilar, e três de novo, porque o outro foi morar com a namorada.

agora, então, já eram três casas. uma de cinco. uma de três e uma de dois, mas com vários instrumentos musicais.

até que aconteceu o troca-troca. o que morava em três, foi para o rio, sozinho. eu, que morava em cinco, fui morar no apartamento dele e os gatos que estavam lá foram para o meu lugar.

então, na casa grande, passaram a morar quatro gatos. e nenhum filho.

quatro casas, quatro gatos, dois pais, três filhos e três casas. uma no rio.

até que chegaram dois netos. um no rio.

e os quatro gatos se foram. para sempre.

então um, com seu filho, que também é neto, continuou no rio. o outro, também com seu filho, e que como o outro, é neto, vai para salvador. e eu, sozinha, vim pra londres.

e, como no começo, eles novamente são dois.

triste? só se você não conhecer esses dois.

[logo mais eu viro dois e viro três e vamos todos para lá. é a roda da fortuna]

26.7.10

TPM, PMS OU O RAIO QUE O PARTA



- pegar um livro, desistir. ir para um filme, desistir. tentar escolher algum episódio de alguma série, desistir. postar no blog, em andamento.
- comer mais um chocolate e tomar mais coca light. depois tomar chá para melhorar o enjôo e comprimido para amenizar a gastrite
- digitar e apagar diferentes tipos de desculpa por sms para não encontrar amigas legais num pub - e acabar enviando a pior delas, já que dizer a verdade soaria como desculpa
- ter a capacidade de pensar a última frase do item acima
- deitar de barriga pra cima, virar de lado, e quase ter o tímpano furado pelo fone de ouvido
- sentir fome insana às 11 da noite, depois de passar fio dental e escovar os dentes
- precisar colocar sutiã para ir à cozinha - fato usual quando você não quer que seu flatmate veja seus mamilos - e fazer disso um tormento tamanho XG (ou inversamente proporcional aos seus peitos)
- tentar encontrar uma imagem para um post imbecil como este (um problema menor já que, em blogs, gatinhos são sempre a solução)

nem só de crise alternada de choro, riso e raiva é feita uma tpm

[mas também]

THE ENGLISH SORRY



quando, por algum motivo, o martin dizia "i'm sorry", eu costumava dizer "do you really mean it or is it just an 'english sorry'? ou seja, meaning nothing.

ainda assim, acho educado dizer 'sorry' a qualquer trombadinha (meaning trombada mesmo, não ladrão, que só faltava essa...)

[but he's always meant the real sorry. sweet martin]

24.7.10

E FALANDO EM BUQUÊ...



...eu bem que brinquei, outro dia, com as flores lindas de um jardim. segurei como se fosse um, mas, juro, só para tirar uma foto - não arranquei umazinha que fosse. foi num domingo muito quente, no começo do mês, no fim do dia. sete da noite, desci pra comprar um sorvete e decidi tomar andando por ruas que ainda não conhecia. nesse mesmo dia, encontrei, perdido, "utterly me, clarice bean". um livro com capa cor de rosa e uma historinha infantil incrível.

[como pode, no mesmo ramo, duas flores que parecem de espécies diferentes?]

TEM ALGUÉM MONTANDO BUQUÊ DE GIRASSÓIS POR AÍ...



at my beloved (even without the sunflowers) regent's canal

22.7.10

ENQUANTO ISSO, NA SALA DA JUSTIÇA...



aguardo novos bilhetes na porta de entrada do prédio. da minha parte, o reclycle vai sim pras caixas verdes (elas ficam na rua, ué). e que diferença que faz pra eles, céus...

VITAMINA S, DE SUJEIRA



uma vez, não lembro o motivo (porque eu provavelmente deletei até do meu subconsciente) minha mãe falou pro meu irmão que eu lavava louça melhor que qualquer empregada que ela já tivesse tido.

...

era para ser uma bronca nele e um elogio a mim. mas (e sem preconceito da minha parte e comentários politicamente corretos de leitor, por favor) eu não gostei da comparação. nem no colegial eu estava ainda e queria ser como minha mãe, que era advogada, trabalhava fora, ganhava bem. e apesar do silêncio do meu irmão mostrar que as palavras dela funcionaram, também em silêncio, fiquei puta da vida.

mas não precisou de muitos anos para que eu entendesse o que ela quis dizer. em geral, as pessoas lavam louça muito mal, praticamente fazem um carinho no prato com uma bucha já engordurada, quase sem detergente, e enxaguam. quantas e quantas vezes vi amigas minhas fazendo isso... então, quando fui morar sozinha e comíamos lá em casa, se alguém se prontificasse a lavar a louça, dependendo da pessoa, eu pensava: "ok, pré-lavagem, metade do trabalho feito. amanhã faço a outra metade". porque você não vai falar para um amigo que ele lava a louça mal. e nem para um flatmate. mas eu falei.

é que assistindo minha flatmate australiana "lavar" a louça dela outro dia, via pratos e talheres semi engordurados irem para o escorredor cheios de sabão (?). o comentário sobre a espuma saiu da minha boca sem que eu conseguisse brecar. ela ficou sem graça, deu uma desculpa qualquer e eu nunca mais falei nada. porque, aqui, cada um tem sua louça, então desse mal não morro. desses, i mean. intoxicação por detergente ou por salmonella e escherichia.

e aí eu penso: por que é que essas pessoas não são contaminadas pelas bactérias dos restos de comida na louça (e não ficam loucamente vomitando no banheiro, como eu já fiquei?) provavelmente porque elas tenham adquirido anticorpos na infância, quando as mães delas faziam o trabalho doméstico.

ou seja, minha mãe devia ter obrigado meu irmão a "lavar" a louça de casa mais vezes.

21.7.10

NÃO FAÇA ISSO, MEU FILHO


hoje vendo um senhor com um mega bigode branco e que ainda era amarelo de nicotina, resolvi fazer a pequena lista do que um homem não deve fazer. tem, claro, uma lista para nós. mas fica para outro dia, num outro post, daqui um ano quando resolver postar de novo ;) e a lista é de besteiras, porque não vou ficar falando que eles não devem trair ou esquecer o dia dos namorados.

- pintar os cabelos brancos, barba e bigode.
- usar peruca ou outras manhas (como o alckmin) para não assumir a careca.
- ter cabelos compridos depois da adolescência, mesmo se for metaleiro.
- ter somente um rastafári (atrás, como se fosse um rabinho).
- sair de casa com pochete (não que em casa esteja liberado).
- abrir a camisa social na rua nos dias de calor mostrando a barriguta.
- palitar os dentes e depois ficar mascando o palitinho.
- deixar a unha do mindinho grande.
- coçar o saco através do bolso da calça enquanto conversa com você.
- assoar o nariz apertando o mesmo e jogar o ranho na rua.
- usar calça de moletom combinando com a croc.

e acho que tem mais, muito mais.

20.7.10

POT BELLY (AND JELLY)




ontem, numa aula de ioga, no que fiz a posição acima (logicamente com as mão segurando as costas), minha camiseta desceu. no que minha camiseta desceu, minha barriga ficou frente a frente comigo, de ponta cabeça. ficamos nos olhando e nos estranhando até que o resto do corpo cansou e voltamos, juntas, para uma posição mais agradável. aos olhos, principalmente. porque barriga deitada é barriga reta. que aquela substância gordinha e flácida que vi no meu abdôme pertence ao estado alterado de consciência a que nos leva a ioga.

[just for the record, eu corri (um pouquinho) hoje. mas não dispensei nem a pizza nem os dois sneakers, que pra isso seria preciso mais que ioga, hipnose]

"PARA A REFUGIADA @ISABELAMENA. NÃO JOGUE A TOALHA"



a gente já tava trocando farpas no facebook porque um não respondeu o comentário do outro. e como da minha parte só não tinha havido resposta porque eu tinha comido bola no twitter - e não visto o post - entrei agora pra checar. 
aiiiii, coisa mais fofa do mundo. e tudo na hora certa. o marsiglia escreveu a frase do título, mais o link do vídeo, dia 16, mas vi bem hoje, que é dia do amigo.

thanks! não jogarei a toalha. ainda não. mas se jogar, vai ser em grande estilo. vou junto e faço um mosh. que tal, pepe legal?

EUZINHA




ainda bem que você me apresentou a natlie, nega. os desenhos dela são muito certeiros, sempre.

FELIZ DIA DO AMIGO!



diversão garantida ou seu dinheiro de volta!

19.7.10

AI, QUE COISA MAIS FOFA DE SE LER!



a gente já trabalhou no mesmo jornal, na mesma época, por duas vezes. porque eu saí e voltei e ela também. temos um monte de amiga em comum, mas nunca fomos muito próximas. por que? é o tipo de resposta que a gente não tem, e que a vida se encarrega não de responder, mas de consertar. eu amo o blog dela - embora ela leve o nome bem ao pé da letra e escreva lá só de vezenquando. e amo também quando ela deixa seus ótimos comentários aqui.
de uns meses pra cá, a gente tem trocado mensagens e emails (também de vez em quando) que são muito gostosos. mais ainda, foi receber esse hoje, o da imagem acima.

ai, rita, sabe que senti isso também outro dia? essa saudade de não termos nos conhecido melhor. mas saber que você foi em casa é gratificante. porque a casa agora é da thais (e olha que até eu senti isso - e feliz - quando estive aí no fim e no começo do ano) mas como eu e ela temos zilhões de coisa em comum, ao mesmo tempo, é quase tudo igual. é a nossa casa. minha, dela e de todas as pessoas queridas que passam por lá.

[é impressionante como um email curtinho é capaz de fazer o dia mais feliz. obrigada, rita!]

LOVEBOX - VICTORIA PARK - ONTEM

17.7.10

THE CREATORS PROJECT



eu vou colocar aqui só uma fotinho (mas tem várias no blog), a da projeção do filme, porque eu admito que fui no creators project uk principalmente pra assitir i'm here, do spike jonze. e como eu tenho muita sorte 1, cheguei dois minutos antes de uma das sessões começar. e como eu tenho muita sorte 2, na sala lotada, um único lugar vagou - bem na minha frente.
mas o basement inteiro do victoria house (e eu nunca tinha entrado lá) estava incrível. tinha floresta, projetos interativos de led, coisas em 3D, de tudo. só que o mais legal são as pessoas. porque elas são vestidas de hipsters mas são tão normais, tão tranquilas, tão diferentes do povo que acha que é moderno em sp e vive de pose...

['i'm here' é lindo. e é triste, muito. e tem a cena das dobraduras de papel... e tem aquele post que eu fiz aqui, em abril]

BROGUES' SOCKS




roubei do tumblr da evelin, mool-yer-zeen-ya (ou mulherzinha)
vende aqui

16.7.10

CREEP COINCIDENCES







de manhã, olho na minha lista de blogs, aqui do lado, e vejo se tem novidade. entro no blog do jotabê e assisto o vídeo postado por ele. eu não vi esse filme. então charlotte gainsburg e johnny depp, numa cena linda, ao som de creep, do radiohead, deixa o sol lá fora ainda mais amarelinho.



continuo navegando. do twitter pro bluebus e então pra este post, que tem o trailer do filme do facebook. ao som de... creep.

por que não mais uma? postada aqui no blog em janeiro. é a versão da música por um homeless, um microfone e um violão. só pra comemorar todos os weirdos que levantaram da tumba e me mandaram mensagem de uma semana pra cá. voltem pro além. you don't belong here.

13.7.10

MULHER


pensando num texto que li agora há pouco, pensei que, talvez, uma menina não precise de sofrimentos para virar mulher. talvez ela precise apenas de um homem bem mais velho do que ela.
mas ele tem que ser interessante. e bem mais velho do que ela.
mas ela tem que querer amadurecer, e não só para escrever cada vez melhor.
ela tem que aceitar abandonar a criancice sem achar que isso é perda. ela tem que pular menos sem deixar de usar vestido. ela tem que falar palavrão por escrito. ela será mais crítica e não menos doce por tudo isso.
ela vai virar mulher, e todas viram, quer queiram, quer não (ou não?). mas ela terá feito isso pelas mãos (e corpo e boca e palavras) de um homem bem mais velho do que ela. e, pra mim, isso é arte.

acompanho, há cerca de um ano e meio, o virar mulher da menina descrita acima. ela tem 20 e poucos anos. ele, quarenta e tantos.

desejo, minha vida toda, que isto aconteça comigo quando for a hora. sempre pedi para que fosse bem mais velha do que ela é agora. agora.

[estou com as mãos livres, prontas para entrelaçar nas suas e me deixar virar a mulher que imagino desde menina]

mais uma ilustra linda da debora

FELIZ, FELIZ


se eu soubesse desenhar, hoje eu usaria o lápis cor de rosa para pintar o vinho que mais gosto pra sempre no momento. eu desenharia uma garrafa inteira. eu beberia uma garrafa inteira. eu bebi uma garrafa inteira. mas isso foi sexta-feira passada, e já passou. e não fui só eu, foram quatro garrafas. e quatro mulheres. e isso é bom. ser mulher é bom. ter mulher como amiga. ter amiga que você nem conhece e te manda uma mensagem perguntando se está tudo bem com você. porque leu seu blog, deu conta do seu sumiço, te sentiu triste. se eu soubesse desenhar, eu incluiria essa amiga ainda virtual na minha sexta-feira passada de amigas francesas e vinho rosé. então seríamos cinco, todas bêbadas naquele pub na frente do canal. e eu usaria também o lápis amarelo para fazer o redondo do sol que fica com a gente até às dez da noite, todo dia, tenha pub ou não. e com o resto da caixa de lápis de cor eu pintaria cada vestido, cada blush e cada esmalte  delicado que contrastava com o volume das vozes alteradas pelo teor alcóolico. mas eu não sei desenhar.
então, debora, deixo essa tarefa para você, que o faz tão lindamente. e, no pé da página, coloco meu agradecimento por se preocupar comigo. obrigada, querida. fez meu dia, hoje sem sol, sem pub ou vinho rosé, tão bonito quanto se tivesse tudo isso. e olha que choveu! mas chuva de verão a gente toma - e eu tomei, no mesmo canal - feliz, feliz!

[alguma dúvida de que eu agora espero um desenho?]

imagem do fotolog dela