10.4.11

VOLVER - I


O blog, que praticamente não parou, voltou. Era pra demorar mais, pra reestrear só com tudo pronto, afinado, redondo. O que, na minha vida, não existe. Achei melhor sintonizar o virtual com a realidade em vez de (tentar) fazer o contrário.
Eu, que voltei, parece que nunca saí. Fiquei quase três meses no Brasil e entrei sexta no metrô de Londres como se o fim de janeiro fosse ontem. E porque saí dele com sol e calor inacreditáveis (é só primavera!) as sensações ficaram ainda mais misturadas.
E confusas: até levei um casaco pro parque sabendo que ia esfriar mais tarde. Empolgada de mais, levei um casaco quente de menos. O que foi prontamente resolvido - se você não vir problema em andar na rua e pegar metrô, sábado à noite, enrolada num cobertor. Eu também não vejo.
Não que isso tenha a ver com a quantidade de cerveja e vinho rosé tomados no churrasco. Misturar, verbo que a esta altura já é tema deste post, só fez tudo ficar melhor. E ainda aprendemos (eu e Carol) uma gíria, swine (hangover de spliff + wine), no seguinte diálogo:

- I had to sleep in the living room yesterday cause the girl felt sick and lay down on my bed. She had swine and ended up sleeping there.

- Oh my god, but isn't it contagious?

[não fui eu quem fez a pergunta acima. mas só porque a carol foi mais rápida]

imagem

Um comentário:

piscardeolhos disse...

hahahaha, vinho rose SEMPRE dá pau, sempre.

beijo, que bom vir aqui...e que saudades de londres (não tanto pelas swines :)