11.7.11

JOGA PEDRA NA GENI



Antes de mais nada, quero deixar claro que este é um post escrito com amor. O substantivo, não o sentimento. É que andei ouvindo conceitos muito esquisitos sobre amor, o que me dá liberdade para chamar de amor aquilo que eu bem entender. Assim como me repetir. E escrever amor várias vezes. Amor, amor, amor. Dizem que o ódio é amor ao contrário. Mas só chegou a raiva o que eu substantivei.
Não. Teve indignação e tristeza também.

Pareceu um seminário da TFP. Mas foi apenas uma conversa entre flatmates.

"O que gays sentem não é amor. Porque é impossível haver amor entre duas pessoas do mesmo sexo. É contra deus. O que gays sentem é desejo ou qualquer outra coisa do gênero."

"Imagina que horror se o homem e a mulher tiverem transado com várias pessoas antes de se conhecerem, antes de casar. Não vai mais existir aquela pureza entre eles."

"Deus ama as prostitutas, porque deus ama a todos. Mas considera pecado, porque é errado se prostituir. Mesmo se estiver passando fome. 'Minha mãe já passou fome e nunca se prostituiu'"

"Tão errado quanto as prostitutas são os homens que pagam para transar com elas. E se elas parassem de se prostituir? Eles iriam começar a estuprar."

Nesse momento, eu respirei fundo. Eu estava conversando com uma versão polonesa e masculina da Myrian Rios ("Uma babá lésbica é, automaticamente, pedófila"). Mas eu estava conversando com uma pessoa que nasceu na década de 80, o que me doía mais. E duas outras, da mesma idade, concordavam com ela. 

Nesse momento, eu parei. Porque não era mais uma questão de contra-argumento, crença, tabu. Era ignorância. Como é que posso viver num mundo que defende ativamente todo tipo de liberdade e, ao mesmo tempo, neste outro? Ali, por ter de sustentar sozinha questões tão prementes, me deu vontade de chorar.

Então eu fui pro quarto, e chorei.

...

Eu não estava discutindo religião porque isso seria incoerente. Eu estava defendendo que deus, fundamentalmente, é amor. É amor por definição, independentemente do nome que sua religião ou filosofia dê a ele. Ou sua não-crença. Porque se deus é amor, nem ser ateu ou agnóstico importa nesta argumentação.

...

Sabe,

- não foi deus, nem mesmo o seu deus católico fervoroso, quem fez as regras que você repete da boca pra fora. Foi a igreja, a sua igreja católica fervorosa. E, acredite, deus e igreja não a mesma coisa.
- deus é amor, e ele aceita sua homossexualidade. 
- não é deus quem te obriga a, todo instante, mentir e omitir sobre sua orientação sexual.
- deus não vai fazer com que, de repente, você deixe de gostar de homens.
- deus aceita e acolhe seu namorado tanto quanto nós o fazemos aqui em casa, mesmo fingindo acreditar que ele seja só seu amigo, já que isso é o que você quer.
- deus acredita que pode ser amor o que vocês sentem um pelo outro. Mas também não acha ruim se for só tesão. 
- deus não faz nenhum julgamento quando vocês se trancam no quarto para colocar esse sentimento em prática. Na minha opinião, se é que ela vale, ele até abençoa.

Não vou te dizer que deus acha ruim que você condene os outros por práticas que também são suas. Ou seja, não vou te dizer que deus não gosta da sua hipocrisia. Mas cuidado. Porque se sua passividade (e juro por deus que isto não é um trocadilho) se juntar a um coro e for para rua apontar para os outros, tentar restringir a liberdade alheia, aí complica pra você.

Quanto a deus, não sei. Mas eu vou achar bom quando você tomar porrada na rua de um bando de neonazi. Que a vida dá voltas. E aí você vai sentir na pele o que é e o que não é amor.

[e eu não gosto de eric clapton]

3 comentários:

Amanda disse...

Ai Isa, eu tbm tenho decepções desse tamanhão oh. Parece que as pessoas têm preguiça de pensar, sabe? Da vontade de dizer, "poxa, faz um esforcinho, vai? Põe a cabeça pra funcionar um tiquinho so!"

Apesar que eu não concordo que deus seja amor.

Isabela disse...

Ai, vc não sabe o quanto eu pensei em fazer uma loucurona ($) e ir de última hora naquele piquenique em Paris só pra dividir com vc e com a Luci essa história toda...

E, ó, mesmo sabendo (e até por isso) que vc não ia concordar com a questão de deus. adoraria (ou adorarei) ouvir seus conceitos inteligentes!

Bisou

Amanda disse...

Pooooooxa! Mas deixa quieto, a gente ainda vai se ver! Não sei se as três juntas, mas vamos! Antes de ir embora eu dou um pulinho por ai com certeza! Haja tempo pra gente conversar tudo o que tem pra ser conversado, heim?