19.6.12

"E, DA PERSPECTIVA DO BEBÊ QUE CHEGA AO MUNDO, É SER RECEPCIONADO COM MUITO MAIS AMOR E RESPEITO"


Domingo, a Prem Kheli, que é minha amiga das antigas (e já está há um bom tempo num dos caminhos espirituais que me servem de guia) postou a foto acima, no Facebook. Para ilustrar o seguinte texto:

"Não pude estar na Marcha do Parto em Casa, mas fica aqui o meu apoio ao movimento que defende o parto humanizado e o direito de escolha da mulher gestante de baixo risco de optar por um parto domiciliar. A minha filha Clara nasceu em casa...junto com o pai e a mãe. Experimentar um parto natural é viver de forma profunda e mais consciente o rito de passagem da filha que vira mãe (e do filho que vira pai). Temos que encarar as nossas luzes e sombras para consentir a passagem de um novo Ser que chega.
Ser canal dessa passagem é se apoderar do próprio corpo e assumir a responsabilidade de nossas escolhas. É poder dar mais um passo no autoconhecimento e na nossa maturidade espiritual. E, da perspectiva do bebê que chega ao mundo, é ser recepcionado com muito mais amor e respeito.

Parabéns para todas as mulheres, homens e crianças que participaram do movimento".


Parabéns à você támbém, amiga querida, por ser essa fonte linda de inspiração.


["temos que encarar nossas luzes e sombras". temos]

Um comentário:

Nina disse...

Nasci em hospital, com todo aquele sério acompanhamento médico. Mas se pudesse ter escolhido, certamente nasceria em casa. Acho digno, sobretudo porque a criança já se aventura no próprio lar. Abraços.