28.11.12

"DRELINA ESPIAVA EM SONHO, DA JANELA"



"A noite, de si, recebia mais, formava escuridão feito. Daí, dos demais, deu tudo vagalume. -'Olha quanto mija-fogo se desajuntando no ar, bruxolim deles parece festa!' Inçame. Miguilim se deslumbrava. -'Chica, vai chamar Mãe, ela ver quanta beleza...' Se trançavam, cada um como que se rachava, amadurecido quente, de olho de bago; e as linhas que riscavam, o comprido, naquele uauá verde, luzlino. Dito arranjava um vidro vazio, para guardar deles vivendo. Dito e Tomezinho corriam no pátio, querendo pegar, chamavam: -'Vagalume, lume, lume, seu pai, sua mãe, estão aqui!...' Mãe, minha mãe. O vagalume. Mãe gostava, falava, afagando os cabelos de Miguilim: -'O lumêio deles é um acenado de amor...' Um cavalo se assustava, com medo que o vagalume pusesse fogo na noite. Outro cavalo patalava, incomodado com seu corpo tão imóvel. Um vagalume se apaga, descendo ao fundo do mar. -'Mãe, que é que é o mar, Mãe?' Mar era longe, muito longe dali, espécie duma lagoa enorme, um mundo d'água sem fim, Mãe mesma nunca tinha avistado o mar, suspirava. -'Pois, Mãe, então mar é o que a gente tem saudade?' Miguilim parava. Drelina espiava em sonho, da janela. Maria Pretinha e Rosa tinham vindo também."

***

Ontem me foi dito que hoje era dia de aquietar. De ficar em casa. Eu já sabia que era dia de esperar; o dia do meio, entre a descoberta e a liberdade. Oxalá seja assim. E com minha guia amarela fiz grandes planos de espera que envolviam alguns ingredientes de sempre, pra evitar sobressaltos: inhame com gengibre no suco, quinoa com abacate na salada, chocotone com cafezinho pra equilibrar. E Guimarães Rosa.

O que eu não sabia é que, mais uma vez, eu me misturaria ao universo de um livro (e isso está ficando esquisito): uma hora antes de abrir na página 89 e dar sequência à leitura, eu disse - falando sobre e comigo mesma - a frase que descreve Drelina. E se dela diz sonho onde eu disse vida é ainda mais indicativo. E o mesmo.

A única coisa que me vêm à cabeça é que talvez seja hora de tirar a poeira do Aleph.

Nenhum comentário: